Entidades negam irregularidades

Procurado pela reportagem, o presidente da Associação dos Transportadores em Auto Lotações do Estado, Leonilson da Silva, negou que a entidade pratique "comércio" de liminares. "Desafio qualquer pessoa a provar que rodamos ilegalmente."O advogado da Associação Brasileira dos Condutores de Veículos (Abracov), André Santos, disse que cerca de 40 dos 80 associados têm liminares para operar em São Paulo e as linhas são definidas conforme a necessidade das associações de bairros."Nossos associados procuram as associações para descobrir as defasagens de transporte público na região. A definição das linhas cabe à Prefeitura, mas ela normalmente não toma as providências para arrumar uma linha, pois recorre da nossa liminar", disse Santos. Ele confirmou que nenhum dos veículos associados à Abracov aceita bilhete único.A reportagem do Estado não localizou representantes da Microluxo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.