Entidades propõem revisão no reajuste de transportes em SP

Representantes da União Nacional dos Estudantes (UNE), da Central Única dos Trabalhadores (CUT) e do Sindicato dos Metroviários, se reuniram na manhã desta segunda-feira, 27, para discutir medidas contra o aumento nas passagens dos ônibus, metrô e trens na cidade de São Paulo, que vão subir para R$ 2,30, a partir de quinta-feira.Durante o encontro, a CUT informou que quer negociar o aumento, que é de 15% nas tarifas de ônibus com o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (PFL), propondo um reajuste de 6% nos coletivos da cidade. A entidade também pretende discutir o reajuste de 9,5% nas tarifas do metrô e trem. A Central também anunciou que pretende entrar na quarta-feira com duas ações civis, uma no Ministério Público e outra no Tribunal de Justiça, pedindo a revisão do aumento proposto pela Prefeitura e pelo Governo do Estado.Também ficou confirmada a realização de uma manifestação nesta terça-feira, 28, a partir das 9 horas, com concentração no vão livre Museu de Arte de São Paulo (Masp), na Avenida Paulista. De lá, os manifestantes seguirão para a sede da Prefeitura, no Viaduto do Chá, no centro da cidade, onde devem ter uma audiência pública com o prefeito Gilberto Kassab (PFL) para discutir o aumento. O encontro das entidades foi realizado na sede da CUT, no Brás, zona leste da cidade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.