Entidades vão acompanhar caso

A entidade brasileira de defesa de Direito Humanos Justiça Global vai comunicar à Organização das Nações Unidas (ONU) e à Organização dos Estados Americanos (OEA) as 25 mortes ocorridas na cadeia de Ponte Nova (MG), anteontem. Segundo a diretora da entidade, "Se for necessário, enviaremos uma petição à Corte Interamericana de Direitos Humanos da OEA", disse a diretora da entidade Sandra Carvalho. "Que o Estado tem responsabilidade sobre a superlotação do presídio, isso não há dúvida." A pesquisadora do Human Rights Watch no Brasil Maria Brant disse que a entidade vai acompanhar o caso. "Dada a brutalidade das facções dentro do presídio, as autoridades brasileiras têm que proteger melhor a vida dos detentos". As mortes no presídio de Minas tiveram repercussão na imprensa internacional, como no The New York Times, no espanhol El País, no argentino Clarín e no italiano Corriere della Sera.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.