Entrada de armas em Bangu 3 pode ter sido facilitada, diz advogado

O advogado dos agentes do Departamento do Sistema Penitenciário (Desipe) que trabalham em Bangu 3, Wilton Tostes, disse nesta segunda-feira que existe a possibilidade de eles terem facilitado a entrada de armas dentro da unidade, onde, há uma semana, houve tentativa de fuga em massa seguida de rebelião.Dezesseis funcionários que estavam de plantão na véspera do motim começaram a prestar depoimento na Delegacia de Repressão ao Crime Organizado (Draco). Segundo o advogado, eles negaram que tivessem conivência com os presos.Tostes acredita que os agentes podem ter sido movidos pela necessidade financeira para ajudar os presos. ?Não sou ingênuo. Essa possibilidade existe. Mas não temos nenhuma garantia de que isso aconteceu?, disse. O grupo chegou à delegacia às 9h30 e, até o fim da tarde, os depoimentos não haviam terminado. A imprensa não teve acesso, a pedido dos funcionários. Amanhã, serão ouvidos os agentes que trabalharam na noite do dia 14, quando ocorreu o motim. A polícia quer saber como o arsenal encontrado com os detentos após a rebelião entrou na cadeia. Foram apreendidos dois revólveres, três fuzis AR-15, cinco pistolas, duas granadas, dez carregadores de metralhadora, 313 cartuchos de balas, um coquetel Molotov e cinco quilos de explosivos. Para Tostes, as pessoas que cuidam da limpeza e da alimentação dos presos também devem ser investigados.O agente penitenciário Marcus Vinícius Tavares Gavião, o Playboy, denunciado por quatro homicídios duplamente qualificados, cometidos durante a rebelião de 11 de setembro em Bangu 1, prestaria depoimento hoje na 1ª Vara Criminal do Fórum de Bangu, mas não compareceu. O Desipe informou que ele não foi depor porque não havia solicitação para que ele fosse ouvido pela Justiça. De acordo com a denúncia do Ministério Público, Playboy forneceu as armas usadas pelos rebelados e cópias das chaves das celas em troca de R$ 400 mil. Ele está no presídio Ary Franco, em Água Santa, zona norte do Rio.

Agencia Estado,

21 de outubro de 2002 | 18h02

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.