Entre ladrões de caixa 24h, 23 PMs

Eles estão presos acusados de dar, principalmente, cobertura a bandidos; onda de ataques começou no fim de 2007

Josmar Jozino, Marcelo Godoy e José Dacauaziliquá, O Estadao de S.Paulo

17 de março de 2009 | 00h00

Pelo menos um policial militar foi preso por mês por furtos a caixas eletrônicos (24 horas) desde o início dessa nova onda de ataques, no fim de 2007. A polícia diz que 50 pessoas foram detidas em 2008. Ao todo, 23 PMs foram acusados, principalmente, de dar proteção aos bandidos que levam os caixas das agências bancárias. A ação contra os caixas representa de 60% a 70% dos ataques a agências bancárias neste ano, incluindo roubos e furtos. Só no fim de semana ocorreram seis casos - três na capital, dois na Grande São Paulo e um no interior.Recentemente, com a decisão dos bancos de colocar vigias tomando conta das agências à noite, os furtos de caixas se transformaram em roubos, com as quadrilhas usando até mesmo fuzis em suas ações. Os bandidos começaram a atacar caixas eletrônicos no fim de 2007 em São Paulo. Uma quadrilha cujos integrantes moravam no Capão Redondo, na zona sul de São Paulo, foi a responsável por disseminar esse tipo de prática no Estado. Os criminosos entravam nas agências de madrugada com maçaricos e demoravam cerca de duas horas para perfurar o caixa e levar o dinheiro. Havia um inconveniente nesse tipo de ação: muitas vezes, quando o bandido não sabia manusear a chama, corria o risco de queimar o dinheiro dentro do cofre.Assim, os bandidos inventaram duas formas de agir. A primeira é levar o caixa inteiro. Para tanto, eles demoram cerca de 40 minutos só para retirar o caixa do lugar - alguns deles são chumbados no chão e pesam cerca de 1 tonelada. Outra tática é perfurar o caixa com furadeiras até abri-lo, sem o uso de maçarico. Quase sempre os caixas recolhidos pelos bandidos estão em agências bancárias ou dentro de empresas, onde normalmente existe mais dinheiro do que nos caixas em postos de gasolina e lojas de conveniência.O Departamento de Investigações sobre o Crime Organizado (Deic) não sabe quantificar quantos furtos de caixas eletrônicos ocorreram em 2007 e 2008, mas sabe que eles foram tantos a ponto de o departamento ter organizado uma operação específica durante os meses de junho e setembro de 2008 contra as quadrilhas que praticavam esse crime. Outra forma de combater essa ação foi o aumento na segurança dos bancos, que passaram a deixar responsáveis em suas agências também à noite.FOGOOntem de madrugada, criminosos atearam fogo em um caixa eletrônico do Itaú, na Avenida Rebouças, no Jardim Paulista, zona oeste da capital. Os policiais militares foram avisados e chamaram o Corpo de Bombeiros, que apagou o incêndio. O caso foi registrado no 14º Distrito Policial, em Pinheiros, na zona oeste. O local foi periciado. Ninguém foi preso e a polícia não soube informar se os bandidos chegaram a levar dinheiro do caixa do banco.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.