Entregador de flores simula seqüestro em Ribeirão Preto

O entregador de flores Fernando Aparecido Camargo, de 27 anos, forjou o próprio seqüestro. Camargo não conseguiu sustentar a farsa e, após algumas perguntas, confessou que, como precisava de dinheiro, montou o esquema.Camargo saiu para fazer uma entrega de flores e uma cobrança e não voltou. O Fusca da empresa Branca Flores foi encontrado, abandonado, com as chaves e os documentos, perto da mata de Santa Tereza, sem sinais de violência. O lavrador José Reinaldo Menegucci informou à PM que tinha visto um rapaz perto do veículo, fazendo ligações com um telefone celular. Pouco depois, Camargo apareceu, sujo e com algumas escoriações. Alegou que tinha sido seqüestrado, mas a história era confusa. Sob pressão, confessou toda a fraude. Entregou à polícia os R$ 170 00 recebidos de um cliente. Sem bateria, nem tinha conseguido usar o celular para pedir resgate aos patrões.O rapaz foi encaminhado ao 1º Plantão Policial para prestar depoimento e vai responder inquérito por falsa comunicação de crime. Desde o início do ano, outros dois casos de falso seqüestro chamaram a atenção em Ribeirão Preto: o de um jovem de classe baixa e o de uma mulher que tentou aplicar o golpe em seu companheiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.