MARCELO PEREIRA / SECOM
MARCELO PEREIRA / SECOM

Envelhecimento da população eleva demanda por programas habitacionais para idosos

Projeto paulistano teve mudanças por causa de reforma e da pandemia; Paraíba e Paraná investem em programas voltados para o público mais velho

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

07 de março de 2022 | 15h00

Na ausência de políticas habitacionais nacionais para o idoso, Estados e municípios adotam iniciativas próprias. Na maioria dos modelos, o morador não compra o imóvel, apenas paga aluguel compatível com sua renda.

Em São Paulo, o programa municipal Vila dos Idosos oferece 145 apartamentos com 90 quitinetes de 30m² e 55 apartamentos de 43m². Atualmente, a oferta de vagas foi reduzida por causa de uma reforma de 31 unidades. Hoje, o empreendimento atende 126 pessoas.

Uma delas é Dirce Cabral, que vive ali desde 2015. A viúva de 80 anos – o marido morreu por um AVC há cinco meses – passa os dias cuidando da casa, fazendo artesanato – um de seus passatempos favoritos - e conversando com os amigos. “Sou muito querida por todos”, orgulha-se. Dirce sente falta das aulas de ginástica e dos passeios que reuniam os idosos e que foram interrompidos por causa da pandemia.

Além do artesanato, o espaço comum tem sala para TV, jogos e espaço para atendimento. O cartão-postal da Vila é um espelho d’água - também em reformas. Os idosos pagam como aluguel 10% e 15% das aposentadorias, além de uma taxa condominial de R$ 35.

Dirce conta que os assistentes sociais e psicólogos estão sempre por ali. Por isso, ela não se sente só. Os profissionais fazem parte de um programa da Unidade Básica de Saúde (UBS) da região para os idosos. A prefeitura informa ainda que o programa recebeu o Selo Mérito da Associação Brasileira de Cohabs e Agentes Públicos de Habitação em 2017.

Um dos exemplos de programa estadual é o Cidade Madura, da Paraíba. Desde 2014, o projeto atende idosos com renda de até cinco salários mínimos com autonomia física para viverem sozinhos ou com um cônjuge. Presente em seis cidades e com planos de expansão para mais duas, o programa atende 290 idosos.

Os condomínios de 40 casas têm academias, pistas de caminhada, sala de computadores, redário, uma horta e até um núcleo de saúde. Cada idoso paga a taxa de manutenção simbólica de R$ 50. Os aluguéis na região variam em torno de R$ 300.

Maria de Fátima Dantas, de 66 anos, vive há quatro anos na unidade em Sousa, no interior do Estado. Está satisfeita com os serviços de saúde e segurança, mas vê dificuldades no transporte. Os motoqueiros cobram R$ 16, ida e volta, para o centro. “Não tem transporte. É tudo longe. Não vende nada aqui dentro. Tenho disposição e faço tudo a pé”, diz a aposentada, que completa a renda como diarista. Em João Pessoa, a fila de espera no programa é de 150 pessoas. 

No Viver Mais Paraná, os condomínios horizontais têm praças, hortas comunitárias e academias. Os idosos pagam aluguel social de 15% do salário mínimo – cerca de R$ 181. Três já foram entregues, em Jaguariaíva, Foz do Iguaçu e Prudentópolis, e outros 12 foram licitados. A expectativa é chegar a 26 até o fim do ano. Segundo o secretário de Habitação, Augustinho Zucchi, são gastos cerca de R$ 5 milhões em cada condomínio.

Tudo o que sabemos sobre:
terceira idade

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.