Envolvidos em esquema de corrupção são libertados

Três envolvidos em um esquema de corrupção no Espírito Santo, que estavam presos desde segunda-feira, foram libertados hoje cedo. Os diretores da Fundação Augusto Ruschi, Augusto Ruschi Filho e Aluízio Sá Santos, e o sócio da empresa BBS Consultoria, Flávio dos Santos Quintanilha, foram soltos porque o prazo de cinco dias da prisão temporária expirou à meia-noite de hoje.A prisão provisória por cinco dias dos acusados foi decretada no dia 30 de julho e eles se apresentaram no dia 6. A prisão preventiva (por tempo indeterminado) dos dois diretores e do sócio da BBS foi pedida sexta-feira pelo Ministério Público Federal, mas a Justiça só se manifestará sobre o pedido na segunda-feira.Os três são citados no inquérito do Ministério Público que apura o desaparecimento de R$ 4,3 milhões de uma conta da Cooperativa de Economia Mista e Crédito Mútuo dos Servidores da Escola Técnica Federal (Coopeftes). Oito pessoas envolvidas no escândalo continuam presas. A mulher do dono da Fundação Augusto Ruschi, Dilma, está foragida.Entre os oito presos estão o cunhado do governador José Ignácio Ferreira e ex-secretário de Governo, Gentil Ruy, e o empresário Raimundo Benedito de Souza Filho, o Bené, colaborador de campanha do governador. Souza Filho estava foragido há duas semanas e se apresentou à polícia na sexta-feira. Os procuradores disseram que Gentil "liderava" a quadrilha que desviava verbas públicas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.