Equipe do HC deve tratar menina baleada em Moema

A pedido do governador José Serra (PSDB), uma equipe de sete profissionais do Hospital das Clínicas (HC) inicia, na semana que vem, o tratamento de recuperação de Priscila Aprígio, de 13 anos, vítima de bala perdida durante assalto a uma agência do Itaú, em Moema, na zona sul de São Paulo.Ela deve ter alta do Hospital Alvorada até sexta-feira e, em seguida, passa a ser paciente da Divisão de Medicina de Reabilitação (DMR) do HC. O problema é providenciar o transporte da jovem, que está paraplégica, de sua casa em Embu, na Grande São Paulo, até a DMR, na Vila Mariana, na zona sul.A família da menina diz não ter recursos para adquirir um carro adaptado. A fisiatra e diretora da DMR, Linamara Battistella, afirmou que a unidade não oferece transporte para seus pacientes. Ela sugeriu que Priscila use o Programa Atende, um serviço da Prefeitura de transporte de pessoas com mobilidade reduzida. Só que o Atende não transporta quem não mora na capital.No hospital, Priscila reage bem à situação trágica pela qual passou há uma semana. "Ela está mais animada, não passa mais o dia todo na cama", disse o irmão dela Leandro Abreu. Priscila recebeu na terça-feira, 6, a visita do advogado Mário de Oliveira Filho, presidente da Comissão de Direitos Humanos da seção paulista da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-SP). "Não queremos que o caso dela caia no esquecimento." Oliveira disse que a intenção é mudar a idéia de que a comissão "só se preocupa com bandido". Segundo Linamara, a jovem "terá de ocupar quase 80% do seu tempo" com o tratamento nos próximos seis meses.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.