Equívocos diferentes

Tutty Vasques escreve todos os dias no portal Estadao.com.br, de terça a sábado neste caderno e aos domingos no caderno Aliás

Tutty Vasques, O Estadao de S.Paulo

10 de setembro de 2009 | 00h00

Tem gente que, definitivamente, não gosta do Michael Moore! Picareta, oportunista, demagógico, manipulador, polemista de araque, burlesco, óbvio, sensacionalista, apóstolo da meia verdade... O documentarista mais famoso do mundo coleciona, além de muitos prêmios, uma penca de adjetivos demolidores de sua obra engajada na arte de bater em cachorro morto.

A ideia de falar mal do capitalismo a esta altura do campeonato, mote da última empreitada cinematográfica de Moore, já dividiu a crítica do Festival de Veneza: metade parece preferir descer a lenha na fogueira que

Oliver Stone acendeu para sua filmografia dirigindo Hugo Chávez no papel de herói do povo venezuelano, mártir do jornalismo golpista internacional atrelado à ideologia ianque.

E tem gente que ainda fala mal do cinema brasileiro. Ô raça, né não?

EFEITO BERLUSCA

Ronaldinho Gaúcho ficou preocupado com a notícia sobre as prostitutas que frequentavam as festas de Silvio Berlusconi, patrão do jogador no Milan. Já pensou se toda garota de programa na Itália resolver cobrar 1 mil por noite?!

NOMENCLATURA

''No meu tempo de prefeito, chamavam isso de enchente!''

Paulo Maluf, comentando os "pontos de alagamento" de São Paulo

Teoria da relatividade

Amigos de Pamela Anderson estão aliviados. A ex-modelo e atriz está namorando um eletricista! Pelo menos não é o encanador, né?

Na ponta do lápis

A última pesquisa CNT/Sensus mandou um claro recado a quem anda por aí dizendo que José Sarney não vale nada. O apoio ao presidente do

Senado custou a Lula 4,7 pontos porcentuais de popularidade.

Não é nada, não é nada...

O que é aquilo?

A novela Caminho das Índias não pode acabar sem revelar que diabos os rapazes do Calcinha Preta ("Você não vale nada/Mas eu

gosto de você") passam no cabelo pra ficar lambido daquele jeito.

Na maior água

São Paulo acordou ontem com aquele gosto característico de cabo de guarda-chuva. A grande diferença da ressaca do Tietê para as outras é que na do rio não tem onda grande. Graças a Deus, né não?

Não tem erro!

Não sei se algum amigo do Romário está fazendo a conta direitinho, mas, se algum jornal quiser arriscar, o anúncio da milésima fraude

nas eleições do Afeganistão não vai estar muito longe da verdade.

Lições da mídia

Assim como precisou sumir para aparecer, Belchior sumiu depois que

Reapareceu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.