Era para ser um culto evangélico; por pouco não vira tragédia

Edilson de Souza Barros foi preso na madrugada desta quinta-feira em São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo, após manter uma mulher como refém. A prisão ocorreu em um apartamento de um prédio da Rua Oseas de Paula Campos, bairro Baeta Neves. No local seria realizado um culto evangélico. Foram quatro horas de negociações entre policiais militares e o seqüestrador, que estava armado com uma faca. Edilson chegou ao apartamento às 21h30 da noite de quarta-feira, acompanhado de sua mulher, Elzivan Maria de Souza Barros, de quem estaria se separando.No imóvel, de propriedade de Matilde, irmã de Elzivan, aconteceria um culto evangélico com um total de oito fiéis, incluindo o casal. Ao sair de casa, Elzivan viu que o marido havia escondido uma faca no bolso da calça e, assim que chegou no apartamento, pediu que avisassem a PM. Policiais Militares chegaram pouco depois e pediram para falar com Edilson. Mas ele dominou uma mulher, de nome Zélia, e passou a ameaçá-la.Todos os outros foram retirados do apartamento pelos policiais, que passaram a negociar a rendição do seqüestrador. Durante as negociações, Edilson apenas dizia que não queria se separar de sua mulher. À 1h40 desta madrugada, o rapaz decidiu libertar a refém e se entregou. Edilson, que, segundo parentes de sua mulher, trabalha como bombeiro civil, foi encaminhado ao 1º Distrito Policial de São Bernardo do Campo e autuado em flagrante.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.