ES lidera ranking de homicídios

Secretário estadual refuta a posição ao dizer que inclui nas estatísticas todos os tipos de assassinatos

Angela Lacerda, Clarissa Thomé e Nelson Francisco, O Estadao de S.Paulo

09 Outubro 2008 | 00h00

Segundo o Anuário do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, o Espírito Santo lidera o ranking de homicídios por 100 mil habitantes, enquanto Pernambuco é o Estado que mais reduziu o número de mortes violentas. O secretário de Segurança do Espírito Santo, Rodney Rocha Miranda, refuta a posição do Estado. Ele lembra que as estatísticas divulgadas pela secretaria incluem todos os tipos de assassinatos - inclusive os mortos em confronto com a polícia -, o que não é feito por outros Estados. O Rio, por exemplo, deixa de fora 1.330 assassinatos de sua estatística, computados como "autos de resistência". "O Estado não pode ser penalizado e aparecer para a mídia de todo o País como o campeão em taxa de homicídios por agir com transparência", afirmou. O sociólogo Deivison Souza Cruz, consultor do Núcleo de Estudos Indiciários da Universidade Federal do Espírito Santo, lembra que o Estado tem ocupado as primeiras posições de homicídios nos últimos levantamentos. "O Estado passou por um processo de industrialização a partir dos anos 70, que gerou urbanização acelerada, mas não criou políticas públicas sociais à altura da demanda da população." Em Pernambuco, ao assumir o governo, Eduardo Campos (PSB) instituiu o Pacto pela Vida, implementado em maio de 2007, tendo como uma das metas reduzir em 12% o número anual de homicídios. No primeiro ano, houve redução de 7%. Pelo menos 11 grandes operações foram feitas, prendendo cerca de 300 pessoas e elucidando mais de 200 homicídios. "Sem um só tiro disparado", destaca o secretário de Defesa Social, Servilho de Paiva. Foram afastados 245 policiais - ante 117 nos 12 meses anteriores - e 617 são investigados. Sob o comando de delegados federais na Secretaria de Defesa Social (SDS), houve desbaratamento de grupos de extermínio, já que os dois principais motivos de assassinatos no Estado são os praticados por esses grupos e os crimes de vingança, entre conhecidos, vizinhos. Os números relativos a 2007 são bem mais altos que os apresentados pelo Anuário. Segundo o governo, foram 4.574 homicídios em 2006 ante 4.479 em 2007 (redução de 2,08%). Para o levantamento foram 4.305 em 2006 e 2.962 em 2007 (redução de 31,2%). Pernambuco é dos poucos que adota a política de registrar os homicídios como crimes violentos letais intencionais (CVLI), como manda a Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp). Esses crimes abrangem homicídios dolosos, latrocínios e lesões corporais seguidas de morte - e também crimes de autoria de policiais. "O governo pernambucano não questiona os dados do estudo, mas destaca não haver um padrão adotado em todos os Estados para se poder medir e comparar os índices de violência", afirma Paiva. DIVERGÊNCIAS Mato Grosso é o Estado onde os homicídios mais subiram em 2007, em relação a 2006: 10%, de 767 para 844, segundo o Anuário. As informações divergem dos dados da Polícia Civil de Mato Grosso, que aponta 777 assassinatos em 2007. Procurado pelo Estado, o secretário de Justiça e Segurança Pública de Mato Grosso, Diógenes Curado, não se manifestou. Embora tenha apresentado redução nos índices, o Estado do Rio ultrapassou São Paulo pela primeira vez e assumiu o primeiro lugar em números absolutos de homicídios dolosos. Foram 5.504 em 2007, ante 4.877 registrados em território paulista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.