Bruno Ribeiro/Estadão
Bruno Ribeiro/Estadão

ES terá 'Arca de Noé' para salvar peixes antes da chegada da lama

Objetivo da medida emergencial de retirada dos animais do Rio Doce é evitar a mortandade; Samarco e pescadores vão ajudar

Marco Antônio Carvalho, Enviado especial de O Estado de S. Paulo

13 Novembro 2015 | 09h18

COLATINA - O Ministério Público Federal (MPF) e o Ministério Público Estadual do Espírito Santo (MPE-ES) se preparam para deflagrar o que denominaram de "Operação Arca de Noé" para retirada de peixes vivos ao longo do curso do Rio Doce, que corta o Estado. A lama proveniente do rompimento das barragens em Mariana tem matado 100% dos peixes por onde passou até agora e se aproxima da divisa de Minas Gerais com o Estado capixaba.

O plano visa a evitar a mortandade dos animais e contará com o apoio da mineradora Samarco, dona das barragens rompidas em Minas. Segundo o MPF, a empresa está oferecendo suprimentos para captura e transporte dos peixes. 

A medida emergencial será realizada com ajuda de pescadores da região, profissionais ou não. O local de destino dos peixes ainda não foi definido. "A princípio, serão alocados nas lagoas da Cobra Verde, em Colatina, e na do Limão, em Linhares. Também estão sendo sondados locais próximos à hidrelétrica de Mascarenhas, em Baixo Guandu", informou o MPF em nota.

O MP declarou não ter certeza sobre o nível de contaminação dos peixes na região e ressaltou que não foi permitido a pesca indiscriminada, mas, sim, o resgate e a soltura dos animais em locais predeterminados. 

As cidades de Baixo Guandu, Colatina e Linhares, no noroeste capixaba, vivem a expectativa da chegada da onda de rejeitos, que deverá causar uma série de transtornos para a região. Além dos danos ambientais, um problema previsto será a interrupção na captação de água do Rio Doce para abastecimento humano. Os municípios elaboraram planos emergenciais para contar com caminhões-pipa no período e também buscam fontes alternativas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.