Escavação chega ao fundo da estação

Material para a elaboração do laudo ficará em galpão da Via Amarela

Camilla Rigi, O Estadao de S.Paulo

16 de novembro de 2007 | 00h00

As provas das escavações da cratera da futura estação Pinheiros da Linha 4 (Amarela) do Metrô devem ser armazenadas em um galpão do Consórcio Via Amarela no Jaguaré, na zona oeste. Segundo o promotor Arnaldo Hossepian Júnior, a decisão final deve ser tomada na próxima semana, quando também devem ser resolvidas as questões do transporte do material e segurança do galpão. No dia 12 de janeiro de 2007, um desmoronamento de terra nas obras da estação matou sete pessoas. Outras 200 pessoas que moravam na região foram desalojadas. Dez meses depois, os investigadores chegaram, no final da tarde de terça-feira, ao ponto onde deveria ser o topo do túnel de acesso á estação. "Agora chegamos ao material que realmente nos interessa, que permitirá saber qual foi a qualidade do concreto utilizado na obra e o que pode ter causado a acidente", disse o Hossepian, que participa da investigação junto com o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) e Instituto de Criminalística (IC)O laudo com as possíveis causas do acidente deve ser concluído em fevereiro, segundo prevê o IPT. Porém, segundo o diretor de Engenharia e Construções do Metrô, Luiz Carlos Pereira Grillo, se a chuva continuar, pode demorar um pouco mais. "Em qualquer escavação a chuva atrapalha. E como o trabalho dos peritos é muito delicado tem de ser mais lento", explicou Grillo. O diretor de engenharia afirmou que não há risco de desabamento no local. "As paredes foram reforçadas com tirantes e qualquer movimentação do solo está sendo monitorada." Segundo o promotor, a intenção é encontrar a cambota (uma fôrma) que dava forma ao túnel e os tubos de aço que foram colocados entre a rocha e o túnel. As escavações estão paralisadas até que o local para armazenar a contraprova esteja preparado para receber o material.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.