Esclarecimento

Quanto à reportagem publicada ontem sobre o preço do metrô de São Paulo, o Metrô aponta que o patamar usado na comparação dos salários mínimos de São Paulo e Rio é diferente, o que causaria distorções. O coordenador da pesquisa do Idec, Carlos Tadeu de Oliveira, explica que a decisão de utilizar o valor nacional para São Paulo deveu-se ao fato de o regional não ter sido sancionado até a data da pesquisa. O Metrô também alega que foi utilizado o valor mais caro do tíquete (R$ 2,40), sendo que o Bilhete Único, utilizado por 72% dos passageiros, custa R$ 1,90 (parte que corresponde ao Metrô na partilha da tarifa). O valor usado por Oliveira foi sempre o mais alto em todas as cidades. O Metrô informa que sua contabilidade é divulgada anualmente. O Relatório de Administração de 2007 foi publicado em 18 de abril. Ali estão, entre outras coisas, as demonstrações contábeis.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.