Escola infantil de SP adere ao Projeto Pomar

Na Escola Municipal de Educação Infantil (Emei) Ignácio Henrique Romeiro, em Moema, zona sul de SP, professores, alunos e funcionários se uniram para colocar o verde na vida das crianças. O resultado já pode ser conferido nas floreiras do pátio da escola, atualmente cheias de cores. Há algum tempo, as crianças arrancavam as mudas. Hoje, elas, com a ajuda de professores e vigias da escola, cuidam das plantas. Perto do portão de entrada, há um jardim bem-cuidado, montado graças à doação de mudas feita pela mulher de um perueiro. Em outra parte do terreno, sementes, compradas pela servente Teresa Moscardi, já começam a brotar em alguns canteiros da horta.A Emei é uma das escolas que aderiram ao Projeto Pomar, iniciativa do Jornal da Tarde desenvolvida em parceria com a Secretaria Municipal do Meio Ambiente de SP (SMMA). O projeto da horta ainda é embrionário, iniciado no ano passado. Apesar disso, a criançada já comeu couve, rabanete e tomate. "O objetivo é mostrar a eles de onde vem o alimento que comem", diz Teresa.A pequena horta já tem coentro, salsa, pimentão, erva-cidreira, boldo, rabanete, couve e alface. Teresa mostra o caixote onde prepara o húmus com casca de alimento e terra. Aprendeu no curso de hortas da Semab. Reclama da qualidade da terra: "Precisamos de terra boa, preta, porque essa que usamos não é nada boa. Eu trago adubo orgânico pra ajudar no plantio."Amélia Rosseto, professora que trabalha na horta com os alunos, diz que eles adoram colher os alimentos e ver que eles vêm das sementes. Já comeram na merenda couve e rabanete; o tomate foi aproveitado para molho de macarrão. "O contato com a terra faz bem a eles. É só abrir o portão da horta que eles vêm correndo, não precisa nem chamar."ReciclagemAlém de todo esse trabalho com o verde, a escola também investe na reciclagem de latas de refrigerante e de papel. A professora Célia Maria de Pacali Gualberto iniciou o trabalho recolhendo as latinhas, amassando e inscrevendo a escola no projeto da Latasa. Depois veio o papel. As crianças fazem seus trabalho em sulfite, recortam e colam nos cadernos. As rebarbas são guardadas para reciclagem. "Fizemos até papel artesanal para eles verem. Esse processo foi registrado com fotos e está fixado no painel da escola," diz Célia.Quem quiser doar sementes, adubo, ou mesmo ajudar a montar os canteiros da horta da Emei Ignácio Henrique Romeiro, pode entrar em contato com a escola pelos telefones (11) 5044-6652 e (11) 5532-1519.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.