Escolas de Indaiatuba terão câmeras de segurança

As 27 escolas municipais de Indaiatuba passarão a ser monitoradas dia e noite por câmeras filmadoras, a partir de terça-feira. O projeto de monitoramento deverá ser estendido nos próximos meses para o distrito industrial, o centro, as entradas e saídas de Indaiatuba. De acordo com o prefeito Reinaldo Nogueira (PDT), estão sendo firmadas parcerias com os industriais e comerciantes da cidade para viabilizar a instalação do sistema. Nogueira descartou polêmicas sobre invasão de privacidade. "Os moradores estão mais preocupados em se sentir seguros do que observados", afirmou. Ele comentou que o sistema das 27 escolas municipais está sendo testado nesta semana e será inaugurado na terça-feira, dia 30. Cada unidade de ensino irá receber entre 2 e 4 câmeras, de acordo com o número de estudantes. As imagens serão transmitidas para uma central e monitoradas por guardas municipais, na sede da GM, no Jardim Morada do Sol. A prefeitura irá pagar entre R$ 400 e R$ 500 por mês, por escola, para a empresa responsável pela instalação e funcionamento das filmadoras, a Guarda Patrimonial. O custo anual é de R$ 148 mil. A transmissão de dados ocorrerá através de uma rede de fibra ótica implantada pela administração. Nogueira disse que o custo da rede, de 11 quilômetros, não foi levantado, mas explicou que está sendo utilizada mão-de-obra municipal. As unidades de ensino que ainda não estão interligadas à rede usarão Internet e telefone até que todas as conexões sejam concluídas. O prefeito acrescentou que está negociando com a Secretaria Estadual de Segurança para levar o sistema às pouco mais de 30 escolas estaduais de Indaiatuba. "A Secretaria está destinando verbas para projetos de segurança em escola. Por enquanto, estamos levantando as carências e custos das unidades de Indaiatuba". A vigilância será feita nos pátios internos e nas entradas das escolas municipais. "Os guardas estão sendo treinados para reconhecer e identificar intrusos. Vamos coibir a violência e evitar vandalismo", disse o prefeito. Mas caso haja falhas, o sistema prevê ainda o pagamento de seguro para danos materiais. Uma central de alarme, ligada a um telefone celular, irá informar à GM quando houver corte de energia ou interrupção no sistema de telefonia. Na sede da Guarda haverá duas centrais receptoras de alarmes e um identificador de chamada para localizar em qual escola ele foi acionado. Nogueira afirmou que a violência em escolas não é comum em Indaiatuba. Mas lembrou do caso de um estudante assassinado em frente a uma unidade de ensino estadual, no ano passado. De acordo com ele, as medidas de segurança são, antes de tudo, preventivas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.