Escrivão sofre atentado e polícia suspeita de novo ataque

O escrivão de polícia Ricardo Magalhães, do 1º Distrito Policial de São José dos Campos, no Vale do Paraíba, sofreu um atentado na madrugada de hoje quando chegava em casa, no bairro Jardim Satélite. Para a Polícia Civil, o crime pode estar relacionado com os últimos ataques às polícias militar e civil do Estado de São Paulo registrados na semana passada. Magalhães desceu do carro para abrir o portão da garagem quando, de repente, dois homens chegaram atirando. O policial se escondeu atrás do carro, revidou os tiros e acertou o pé de um dos bandidos. A dupla saiu correndo a pé e entrou em um carro, onde outros quatro integrantes aguardavam. O escrivão, então, entrou no carro de novo e começou a perseguir o grupo. Do celular, ligou para a Polícia Militar que ajudou na captura dos criminosos. Entre os presos, três eram menores e foram encaminhados à Delegacia da Infância e Juventude. Os outros três seguiram detidos para o Centro de Detenção Provisória."Não anunciaram nenhum assalto, chegaram atirando, por este motivo, a principal hipótese é que tenha sido um atentado", informou o delegado Henrique Gomes, que investiga o caso. Em um dos ataques na capital paulista, o soldado Luiz Cláudio Monteiro foi assassinado. Nos presídiosDe acordo com informações da Polícia Militar, os sete presídios do Vale do Paraíba, em Potim, Tremembé e Taubaté tiveram a segurança externa reforçada. O patrulhamento ganhou mais homens e os horários das rondas foram aumentados nas áreas prisionais. Desde que os ataques começaram, nenhum presídio da região, nem os dois Centros de Detenção Provisória (CDPs) de Taubaté e São José dos Campos foram atacados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.