Escutas indicam que família de Boldrini tentou movimentar conta do médico

Justiça havia determinado o bloqueio dos bens de Leandro Boldrini, preso sob suspeita de planejar a morte do menino Bernardo

Elder Ogliari , O Estado de S. Paulo

21 de julho de 2014 | 23h11

PORTO ALEGRE - Escutas telefônicas feitas pela Polícia Civil com autorização da Justiça indicam que familiares tentaram movimentar contas bancárias do médico Leandro Boldrini quando ele já estava preso como suspeito de planejar a morte do filho, Bernardo Uglione Boldrini, de 11 anos. O material foi obtido pela RBS TV, afiliada da Rede Globo no Rio Grande do Sul, e divulgado na noite desta segunda-feira, 21, em programas jornalísticos locais e no Jornal Nacional.

Em 25 de abril, 21 dias depois do assassinato e 11 dias depois da localização do corpo e da prisão de Leandro, da madrasta Graciele Ugulini e da amiga dela, Edelvânia Wirganovicz, o Ministério Público pediu e obteve da Justiça o bloqueio dos bens do médico. Ao mesmo tempo, a investigação policial detectou conversas entre um advogado amigo da família e dois irmãos do médico tratando de retirada de dinheiro de um banco para depósito em conta de um familiar. "Porque os caras vão bloquear tudo e tem que ir lá a tempo. Tudo o que conseguir passar para o teu nome passe", diz um trecho da escuta. O conteúdo vazado não informava se houve saques ou não.

Contradições. A mesma emissora também obteve trechos dos depoimentos iniciais de Graciele e Edelvânia, nos quais aparecem algumas contradições. A amiga da madrasta conta que o crime foi arquitetado por Graciele, que teria lhe dito que vinha planejando tudo havia tempo. Também confessou que viu a parceira aplicar uma injeção na veia do menino e ajudou a ocultar o cadáver, sobre o qual a madrasta jogou soda cáustica na tentativa de reduzir o cheiro da decomposição. 

A enfermeira negou a intenção de matar o menino e alegou que não aplicou injeção, mas deu calmantes porque ele estaria agitado, admitindo que pode ter dado remédios em excesso. Ao constatar a morte, sustenta que a "única saída que viu" foi "dar um jeito no corpo" e enterrá-lo em local que teria sido indicado por Edelvânia.

O crime ocorreu no dia 4 de abril, quando Graciele levou o enteado em uma viagem de Três Passos, onde a família morava, para Frederico Westphalen, a 80 quilômetros, a pretexto de consultar uma benzedeira. Câmeras de segurança mostraram a madrasta e a amiga embarcando com o menino em um automóvel e voltando mais tarde sem ele.

O depoimento de Edelvânia levou a polícia a localizar o corpo. Logo depois, as duas mulheres e o médico foram presos. Posteriormente,a Justiça decretou a prisão preventiva de um quarto suspeito, o motorista Evandro Wirganovicz, irmão de Edelvânia, que teria participado ou saberia da abertura da cova em um matagal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.