Reprodução
Reprodução

Especial do Estadão que simula tendências de adoção ganha ‘Prêmio por Excelência Jornalística’

Reportagem multimídia foi premiada pela Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP) na categoria Jornalismo de Dados

O Estado de S. Paulo, O Estado de S.Paulo

13 de agosto de 2020 | 12h06

A reportagem especial multimídia do Estadão, que simula quais crianças são adotadas (e quais não são) no Brasil, venceu o Prêmio Excelência Jornalística 2020, da Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP), na categoria Jornalismo de Dados. Por meio de gráficos e ferramentas interativas, o material mostra as tendências de adoção no País. O resultado da premiação foi divulgado nesta quinta-feira, 13.

Com recortes de raça, idade, número de familiares e outros fatores como a criança ter deficiência ou não, a reportagem consegue simular quais as chances de uma criança ser adotada no Brasil. Para viabilizá-la, a equipe utilizou três fontes diferentes de informação: o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), com características das crianças e adolescentes; e o Cadastro Nacional de Adoção (CNA), que detalha os traços buscados pelos pretendentes ao adotar. A terceira fonte é resultado das simulações feitas pelo Estadão. 

Com base em números reais provenientes das duas fontes citadas, a equipe criou um algoritmo que gera crianças e pretendentes – e depois checa se houve “match” entre eles. O “match” acontece quando há uma criança com todas as características que os pais buscam.

Dentre os fatores analisados pela SIP, a comissão destacou a “originalidade, impacto social e criatividade” com que o simulador usou os dados para aproximar o leitor da experiência de um jovem à procura de um lar. “A equipe multimídia procurou tratar com sutileza um tema tão delicado como o processo de adoção. E encontrou na visualização de dados a melhor forma de chamar atenção para as informações mais importantes da notícia”, conclui Fabio Sales, Editor Executivo Multimídia do Grupo Estado. 

Julia Marques, repórter que assina o especial com Mariana Cunha e Vinicius Sueiro, diz que o objetivo da reportagem foi mostrar de forma gráfica e interativa as dificuldades do processo de adoção no Brasil relacionadas às preferências dos pretendentes. O grande desafio, de acordo com ela, era levar sensibilidade e clareza a um tema tão difícil.

A reportagem já havia vencido anteriormente os prêmios internacionais Information Is Beautiful, na categoria Melhor trabalho em língua estrangeira, e o Malofiej

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.