Especialista da USP critica falta de investimentos em SP

Para ele, a construção do terceiro terminal de Guarulhos já deveria ter começado

Paulo Maciel, da Agência Estado,

20 Julho 2007 | 07h42

O professor Nicolau Gualda, especialista em Transportes da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli/USP), reclamou da falta de atenção e investimentos federais nos aeroportos paulistas. Ele afirmou que o terceiro terminal de Guarulhos já deveria ter começado a ser feito.   Veja também: Dilma convoca presidente da Infraero e diretora da Anac  Lista completa dos mortos Quem são as vítimas do vôo 3054 As histórias das vítimas da tragédia O local do acidente Opine: o que deve ser feito com Congonhas? Os acidentes mais graves da aviação brasileira Cronologia da crise aérea Conheça o Airbus A320 A repercussão da tragédia no mundo Assista a vídeos feitos no local do acidente   "Precisaria ter começado a fazer a terceira pista de Guarulhos há 2 ou 3 anos; precisaria ter começado a implantar o trem para Guarulhos", queixou-se em entrevista ao Jornal das Dez, da Globo News, o professor, que foi um dos colaboradores do plano diretor para o sistema aéreo de São Paulo feito na década de 80.   Além disso, lembrou que já deveria ter sido iniciado pelo menos um dos terminais previstos para Viracopos. "Houve sempre uma grande má vontade da Infraero - e isso vem de longa data - com São Paulo."   Gualda reclamou da centralização do planejamento aeroportuário brasileiro, que não estaria levando em conta o peso do Estado no sistema aéreo nacional. "Eu acho incrível que São Paulo, sendo a mola propulsora deste País, fique sujeito a decisões de Brasília de um órgão que cuida de sessenta e tantos aeroportos", ponderou. "Ficar mendigando verba e ações para os aeroportos de São Paulo é o fim da picada."   'Falta ação'   O professor disse que já existem projetos prontos de expansão dos aeroportos paulistas. "Existem revisões de planos diretores para Congonhas, para Guarulhos e para Viracopos", afirmou o especialista em transporte aéreo. "Falta é ação." Segundo ele, com a falta de investimentos e de interesse das companhias aéreas, o aeroporto de Congonhas, que deveria ser coadjuvante a partir da construção de Cumbica, voltou a ser ator principal.   Ele acha que bastaria investir na construção de uma linha de trem, a fim de melhorar o acesso para o aeroporto de Guarulhos. "Mas trabalha-se sem margem em todos os sentidos", frisou. "Falta uma visão sistêmica para o sistema de transporte aéreo."

Mais conteúdo sobre:
vôo 3054

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.