Especialista prevê caos em aeroportos no domingo

Os passageiros poderão voltar a enfrentar problemas nos principais aeroportos do País no retorno do feriado prolongado de Finados, no domingo, 05. A previsão é do especialista em segurança de vôo do Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias (Snea), Ronaldo Jenkins. Segundo ele, o volume de vôos no domingo deverá ser o mesmo de quarta-feira, véspera do feriado e um dos piores dias de atrasos nos aeroportos espalhados pelo País. "O número de vôos no domingo deve ser equivalente ao de quarta-feira. Quem saiu tem de voltar", afirmou Jenkins.Questionado sobre declarações do ministro da Defesa, Waldir Pires, e do comandante da Aeronáutica, brigadeiro Luiz Carlos da Silva Bueno, de que a situação já está eqüalizada e que a volta do feriado será mais tranqüila, Jenkins disse que torce para que as duas autoridades estejam certas. "Espero que eles estejam certos. Infelizmente a gente vai ter de pagar para ver."Jenkins, que mora no Rio, está passando o feriado em Curitiba. No vôo de ida, o especialista relatou que o atraso foi de uma hora e meia. Ele falou que torce ainda mais para que a situação esteja mais tranqüila na volta do feriado porque seu vôo de volta é no domingo. "Estou no bojo do problema", afirmou.O Comando da Aeronáutica e a Infraero informaram nesta sexta-feira, 3, que a situação nos aeroportos brasileiros é de normalidade, depois de uma quinta-feira caótica, quando 600 vôos atrasaram até 12 horas em todo o País e policiais militares e federais foram deslocados aos terminais para manter a calma de passageiros e funcionários das companhias aéreas.Caos no transporte aéreoOs problemas nos principais aeroportos do País começaram na sexta-feira, 27, quando os controladores de vôo do Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (Cindacta 1), de Brasília resolveram adotar uma operação-padrão com o objetivo de chamar a atenção sobre as condições de trabalho. A categoria decidiu reduzir o número de aeronaves vigiadas por controlador, o que gera atrasos nas decolagens e pousos e até cancelamentos de vôos.Após o acidente entre o jato Legacy e o Boeing da Gol, em que 154 pessoas morreram no dia 29 de setembro, a equipe de Brasília ficou sobrecarregada com o afastamento de oito controladores. Na tentativa de conter a crise, uma Medida Provisória publicada nesta sexta-feira no Diário Oficial da União autoriza, em caráter emergencial, a contratação de 60 controladores permitindo que o processo seletivo no Ministério da Defesa seja feito pela análise do currículo.Na próxima segunda-feira, 6, será publicado também um edital de concurso público para a contratação de 64 controladores de vôo civis que passarão por curso de formação de nove meses de duração.Além disso, uma solução imediata foi adotada na manhã de quinta-feira com a convocação de 149 controladores militares. Todos eles permanecerão em Brasília em alojamentos no Cindacta 1 - o centro de controle de vôos da capital federal -, com um médico e quatro psicólogos à disposição, até que seja montada uma escala de plantões que garanta a volta à normalidade nos aeroportos. Devem ser escalados 30 controladores por dia, 10 por turno.Também foram remanejados sete controladores de outros Estados e outros 11 profissionais da reserva voltarão à ativa neste período de emergência. Atualmente, o País conta com 2.115 controladores de vôo militares e 493 civis.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.