Especialista vê ''efeito dominó'' em tumultos

Os atos de vandalismo que envolveram 1.500 pessoas na madrugada do dia 1º na Praia Grande, na Baixada Santista, podem ter servido de inspiração para a ação parecida que ocorreu dois dias depois na vizinha São Vicente, acreditam especialistas em segurança pública. "Isso aí para os desordeiros é uma inspiração. Nós tivemos casos na Bahia, onde aconteceram mais de uma dezena de linchamentos de criminosos presos na seqüência", afirmou o ex-secretário nacional de Segurança Pública José Vicente da Silva Filho. Consultor em segurança, Silva Filho afirma que a impunidade é outra aliada na proliferação dessas ondas de violência. "É preciso que a polícia dê um basta, mostre a vontade de punir, tem de se reagir com dureza, mostrar que estão investigando. Não se pode deixar que os desordeiros constatem que nada acontece. Tem gente que é bagunceiro profissional e tem de ser intimidado." "Alguns que participaram de uma devem ter participado da outra. Não quer dizer que vão acontecer outros casos, mas sempre existe a chance", diz o diretor de Projetos da Secretaria Nacional de Segurança Pública, Guaracy Mingardi, lembrando que fóruns e prefeituras foram incendiados em poucos dias em cidades paraenses. Os dois especialistas concordam que a ação policial para prevenir e controlar essas situações é essencial. Silva Filho defende ainda restrições à venda de bebida e à presença de crianças em alguns eventos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.