Especialistas acreditam em "distúrbio mental"

De acordo com especialistas, Suzane Louise tem um transtorno mental. "Não foi um ato exclusivamente criminoso. Houve algum desequilíbrio que motivou esse tipo de conduta", diz o psicoterapeuta João Augusto Figueiró."Foi ela e não eles (Christian e Daniel) que se voltaram contra a própria natureza. Ela é que foi gerada por eles", explica o psiquiatra forense Guido Arturo Palomba. "Os pais são a natureza dela, enquanto os dois criminosos não têm esse vínculo."Palomba levantou 28 casos de parricídio e, em todos eles, o criminoso tinha um distúrbio mental. Segundo ele, mesmo sendo psiquiatra, Marísia, a mãe de Suzane, não poderia perceber isso. "É a coisa mais comum os pais não reconhecerem a patologia dos filhos. A acuidade do médico diminui demais quando se trata de alguém muito próximo. É muito difícil prever um delito dessa gravidade."Para o psiquiatra, Daniel e Christian são pessoas "da pior espécie". "Eles aplicaram múltiplos golpes, foram ferozes na execução do crime, impossilitaram a defesa, e a motivação - ficar com o dinheiro - foi baixa, rasteira. São indivíduos irrecuperáveis e deveriam ficar confinados para o resto da vida. Se voltarem, não vão tardar a delinqüir."Quanto à estudante, segundo ele, ultrapassou a linha da qual não há retorno. "Ela pulou para o abismo, caiu, não tem como voltar."Voltar-se contra pai e mãe com essa ferocidade, analisa Palomba, exige frieza afetiva, insensibilidade, um egoísmo do grau mais elevado."Não pode haver nada mais grave do que um crime desses."Em psiquiatria forense é chamado de crime balorado, isto é, sem inteligência, mal planejado. Em 1835, era chamado de "loucura moral". Palomba é autor do primeiro tratado de psiquiatria forense, civil e penal em língua portuguesa, que sai em março.Segundo ele, para esse tipo de crime - quando a pessoa tem alguma sensibilidade e um sentimento bem-estruturado - a única chance de alívio é o suicídio. O médico João Augusto Figueiró, psicoterapeuta do Hospital das Clínicas considera o crime lamentável. "Foi muito ruim para a vida de todas essas pessoas - pais e irmãos."Ele diz que é muito difícil fazer um diagnóstico sem conhecer o paciente. "Isso exigiria junta médica, perícia judicial, um demorado processo de investigação. Imagino que ocorreu o que se chama de psicopatia, ou seja, uma deficiência na formação do superego, aquela instância da vida mental que faz com que a gente sinta culpa, não cause mal ao outro, não roube, não agrida, não mate."Algumas pessoas chamadas de psicopatas têm um desenvolvimento insuficiente dessa função mental que reprime, contém, atenua nossa maldade. Suzane pode ter sido instada pelo namorado, mas se ela fosse uma pessoa normal o denunciaria ou se separaria.Outra alternativa são os transtornos de personalidade. "Pessoas com personalidades anti-sociais têm condutas contrárias às normas vigentes. Portadores desses trantornos são levados a cometer atos de perversidade. "Isso já se observa na infância", diz Figueiró. "Atacam animais e pessoas, destroem coisas e isso evolui para estupro, abuso sexual. Elas têm prazer no ato perverso. Esse transtorno é freqüentemente associado ao uso e abuso de drogas."Segundo ele, esse tipo de conduta não respeita classe social. "Pode surprender as classes média e rica, que acreditam que essas coisas só acontecem nas classes inferiores. Isso só serve para se distanciarem da realidade porque esse tipo de atitude não tem delimitação de classes.Acompanhe toda a história nos links abaixo. » Quinta, 31/10: Casal é assassinado no Campo Belo » Para vizinhos, casal era "simpático e reservado" » Sexta, 1/11: Policiais investigam namorado e filha do casal » Segunda, 4/11: Filha do casal depõe pela segunda vez » Terça, 5/11: Polícia volta à mansão do casal assassinado » Quarta, 6/11: Para Polícia, casal foi assassinado por vingança » Quinta, 7/11: Preso o irmão do namorado da filha » Sexta, 8/11: Pedida prisão de suspeito de matar o casal» A Polícia conclui: Suzane, a filha, tramou o assassinato»Assassinos do casal têm prisão provisória decretada» Polícia encontra material furtado da mansão do casal

Agencia Estado,

08 de novembro de 2002 | 21h29

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.