Especialistas criticam a proposta, que consideram ''assustadora'' e ''comunista''

Especialistas de trânsito classificaram de polêmica a proposta do vereador Carlos Apolinário (DEM) de cobrar pedágio urbano de automóveis para eliminar a tarifa no transporte público. Eles utilizaram palavras como "bobagem", "comunista" e "assustador" para criticar o projeto do vereador.O consultor de trânsito Sérgio Costa disse ser impossível manter um sistema de transporte público 100% gratuito. "Acho uma grande bobagem. Não existe nada de graça", criticou o especialista, que ironizou a proposta. "Esse vereador democrata é comunista? Ele nasceu na Rússia?" Para ele, o valor arrecadado com o pedágio urbano - medida da qual ele também discorda - deveria ser usado no investimento no transporte público, instalação de semáforos inteligentes e na Companhia de Engenharia de Tráfego (CET).Se aprovado, o projeto traria, como reflexo, aumento no uso de ônibus e metrô, o que causaria superlotação no sistema. "Estudo do Metrô mostra que um terço das pessoas anda a pé.Eles iriam para o ônibus e não teria (espaço) para todo mundo", afirma o consultor.Também consultor de trânsito, Flamínio Fichmann lançou dúvidas sobre o cálculo apresentado pelo vereador para justificar a tarifa zero. "É preciso levar em conta os custos da implementação do pedágio urbano, que vai exigir investimentos em tecnologia." Segundo Fichmann, o aumento no uso do transporte público também acarretaria gastos com aumento da frota e contratação de funcionários."Essa visão de tarifa zero é socialmente bonita, mas se torna anti-social. Isso vai fazer as pessoas lotarem ainda mais o transporte público e os usuários também passarão a morar cada vez mais longe. É algo enganador e assustador", disse o especialista Célio Bottura. Para o consultor de transportes Adriano Murgel, gratuidade não é uma "boa política." "Eu acho que teria de cobrar muitos pedágios para subsidiar os ônibus. Para mim, isso não tem o menor sentido."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.