MÁRCIO FERNANDES/ESTADÃO
MÁRCIO FERNANDES/ESTADÃO

Especialistas criticam declarações de Bolsonaro sobre aulas de autoescola

Eventual mudança que encerrasse a exigência das aulas poderia ser classificada como desastrosa para a segurança no trânsito, sustentam. Presidente diz que medida vai ficar para 'um segundo momento'

Redação, O Estado de S.Paulo

26 de julho de 2019 | 23h53

SÃO PAULO - As declarações do presidente Jair Bolsonaro sobre o grau de importância de aulas em autoescolas para a obtenção da carteira de habilitação recebeu críticas de especialistas, para quem uma eventual mudança que encerrasse a exigência das aulas poderia ser classificada como desastrosa para a segurança no trânsito. 

Em live no Facebook, o presidente disse que aprendeu a dirigir quando era criança e que as aulas não precisariam ser cobradas. “Eu, com 10 anos de idade, aprendi a dirigir trator na fazenda em Eldorado Paulista. E acho que nem devia ter exame de nada. Parte escrita apenas e ir para prática logo. Não tem que cursar autoescola, ter aula de um monte de coisa que já sabe o que vai acontecer. Então, deveria ter uma prova prática e uma prova escrita ali. Seria o suficiente para tirar a carteira de habilitação. Mas vamos deixar isso para um segundo momento”.

O ex-presidente da Comissão de Direito Viário da seccional paulista da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) Mauricio Januzzi Santos lembra que o curso, além de falar sobre a mecânica do veículo, discorre sobre sinalização, direitos e deveres do condutor. “Não conheço pessoas que naturalmente sejam experts em legislação de trânsito. O curso é preparatório para se operar uma máquina, que é o carro, e para que ele seja manejado com segurança para o motorista e para os demais”, disse ao Estado.

Acabar com esse formato de ensino, diz Santos, seria um “retrocesso” e uma “barbaridade”. “O ensino atual já é deficiente. Imagine se tirar o que se tem.” 

 O consultor em segurança no trânsito Horácio Augusto Figueira lembra que, apesar de o ensino de pai para filho ter sido uma prática relativamente comum no passado, ela permanece não sendo recomendada. Além disso, a realidade do trânsito mudou bruscamente entre o período em que Bolsonaro aprendeu a dirigir e os tempos atuais, com destaque para a intensificação na circulação de veículos em razão do crescimento da frota. 

“As partes teóricas e práticas são fundamentais. É preciso que sejam explicados os conceitos básicos de movimento, distância de frenagem, regras de circulação, placas de sinalização, orientação e advertência”, diz Figueira. “Alguém precisa informar ao presidente que uma pessoa morta no trânsito custa muito. Mudar essa obrigação é ir na contramão baseado em achismo. Em nome da segurança, espero que isso não avance.” 

A fala do presidente entrou no contexto de várias medidas que ele tem a intenção de fazer para baratear o custo para tirar a CNH. Uma delas foi o fim dos simuladores na autoescolas. “Eu espero que a Câmara não bote a obrigação dos simuladores de novo. Porque tem muito sentido espúrio nisso aí.”

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.