Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Esperando há quatro meses

Sou assinante SKY e comprei um aparelho no dia 22 de fevereiro no cartão de crédito Visa no valor de R$ 599, mas cancelei a compra dois dias depois. A empresa prometeu me ressarcir na próxima fatura do cartão. Até agora a quantia devida não foi depositada, como também não tenho o aparelho. Durante esses meses entrei em contato com vários atendentes e, há mais de um mês, com um coordenador da SKY. Ele prometeu priorizar a solução do caso. Explicou que o problema foi por causa de uma falha técnica por parte da empresa. Trinta dias depois, nada aconteceu. Tentei entrar em contato com ele de novo, mas ele não me atende. Estou muito decepcionada com a empresa. Tenho a impressão de que a SKY não está preocupada em resolver com "prioridade" os problemas de seus assinantes. SANDRA G. P. MANTOVANISantosVito Chiarella, vice-presidente de clientes da SKY, informa que a empresa entrou em contato com a leitora sra. Sandra em 19 de maio para esclarecer que já está sendo providenciada a devolução do valor devido e para pedir desculpas pelos transtornos causados. A leitora comenta: Um analista me telefonou para comunicar que a SKY iria reparar o erro. Prometeu que ele mesmo iria cuidar do meu caso. Porém, até hoje o valor não foi creditado. Liguei para a administradora do meu cartão de crédito e me informaram que não há nenhum pedido da SKY para reembolso ou estorno em meu nome. Telefonei para a SKY e disseram que não há uma resposta efetiva. Por causa do pouco-caso, acionarei os meios judiciais.Pacote surpresaMoro na Alemanha e pedi para minha tia me encaminhar algumas peças de artesanato. No dia 7 de abril ela as enviou em uma caixa de papelão protegidas com plástico bolha e espuma pelo serviço de correio expresso (EMS) que faz a entrega em até seis dias. O pacote só chegou 13 dias depois com os objetos quebrados. Fiz uma queixa aos Correios, que disseram que eu deveria contatar o correio alemão e que, se eu assinei o documento de recebimento, significava que tudo estava certo. Dias mais tarde, fui contatada pela DHL da Alemanha pedindo que eu levasse a mercadoria quebrada a um posto específico com a embalagem. Foi o que eu fiz. Três dias mais tarde recebi um e-mail dos Correios informando que não havia nenhuma queixa formal e que quem deveria fazer isso era o remetente e não eu. Estamos em junho e ainda não obtive nenhuma resposta sobre o ressarcimento de minhas despesas. MARISA COSTAAlemanhaO diretor regional da São Paulo Metropolitana dos Correios, José Furian Filho, esclarece que consultaram o correio da Alemanha, que informou que, não havia registro de avaria na entrega do objeto.Conforme pedido do correio brasileiro, um funcionário do correio alemão foi à casa da destinatária para retirar o objeto para análise, que confirmou a avaria. De acordo com as normas da União Postal Universal, a remetente é que tem o direito à indenização e os Correios dizem que tentam contatá-la para poder deixar a quantia relacionada aos preços postais pagos e ao seguro por meio de ordem de pagamento pelo Banco do Brasil ou em crédito em conta corrente.Avenida PaulistaA reportagem Paulista tem um problema a cada 100 m (Caderno Metrópole, 22/5) reforça o equívoco da substituição do mosaico português feito na década de 70 exclusivamente para o "Símbolo de São Paulo". O atual calçamento ficou em desnível em relação ao Edifício Pauliceia, no número 960, e foi necessário colocar rampas provisórias de madeira nos acessos ao prédio que tem o piso em mosaico português. Além de reter o lixo, pessoas já se acidentaram no local. A Subprefeitura da Sé orientou o síndico que as medidas de adequação das soleiras nas áreas privativas do prédio são de competência do condomínio. Porém, a obra é de grande vulto e o edifício está no final do processo de tombamento, portanto, está protegido pelos órgãos de preservação do patrimônio histórico e cultural.ALVAMAR C. DE O. DE BENEDETTOSão PauloA Prefeitura não respondeu.Assim não dáAno após ano o reajuste estipulado pelo plano de saúde, invariavelmente, ultrapassa o valor determinado pelo benefício concedido pelo INSS aos aposentados. Este ano o INSS nos agraciou com um aumento de 5,84% e o reajuste do convênio médico foi de 6,50%. O aumento do convênio de saúde deveria ser idêntico ao reajuste do salário do aposentado. SÉRGIO ARANHA DA SILVAGarçaAs cartas devem ser enviadas para spreclama.estado@grupoestado.com.br, pelo fax 3856-2940 ou para Av. Engenheiro Caetano Álvares, 55, 6.º andar, CEP 02598-900, com nome, endereço, RG e telefone, e podem ser resumidas. Cartas sem esses dados serão desconsideradas. Respostas não publicadas são enviadas diretamente aos leitores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.