Espetáculo faz homenagem à Semana de 22 no Municipal

As vozes declamando os poemas não serão de Mário de Andrade, Oswald de Andrade e Menotti del Picchia. Em 1922, eles e outros artistas das letras, música e artes plásticas revolucionaram a cultura brasileira ao se reunirem em São Paulo em um manifesto artístico para tentar renovar o ambiente cultural brasileiro. Suas obras e o clima da Semana de Arte Moderna voltarão hoje ao Teatro Municipal em uma homenagem que faz parte das comemorações do centenário da Academia Paulista de Letras (APL).O espetáculo 22, Semana de Arte Moderna é uma criação do ator e diretor teatral Ayrton Salvanini. Em um palco ilustrado com quadros dos pintores modernistas Anita Malfatti, Tarsila do Amaral e Di Cavalcanti, o ator interpreta os principais poemas que marcaram o evento de 1922, acompanhado de um violinista com obras de Heitor Villa-Lobos. Embora em tempos diferentes, o tom de protesto com poemas críticos à sociedade - como Ode ao Burguês, de Mário de Andrade - volta a ser o foco. "Eu insulto o burguês! O burguês-níquel, o burguês-burguês! A digestão bem feita de São Paulo! O homem-curva! o homem-nádegas!...quase nove décadas depois, continua sendo uma paulada no status quo", diz Salvanini, que afirma ter apresentado o espetáculo centenas de vezes, mas nunca no Municipal, o principal palco de 1922.Os organizadores afirmam que não há contradição em a APL realizar um evento em homenagem à Semana de Arte Moderna - um dos principais focos de ataque dos artistas modernistas era justamente a tendência do "academicismo nas artes". "É uma homenagem artística à Semana. Não se trata de uma discussão do mérito, até porque a importância de 1922 já foi reconhecida por todas as academias", diz o produtor Antonio Clementin, um dos organizadores.VILLA-LOBOSAlém da interpretação de obras de Mário de Andrade, Oswald de Andrade e Manuel Bandeira, o evento terá apresentações musicais. O número que abre a noite é a interpretação de Bachianas nº 5, de Heitor Villa-Lobos, pela soprano Cláudia Riccitelli e com regência do maestro León Halegua. O evento no Teatro Municipal terá entrada franca e começará às 19h30. Segundo a APL, em seu centenário, a instituição quer promover eventos abertos ao público para marcar um novo momento, com "laços mais fortes com a comunidade".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.