Espetáculo faz homenagem à Semana de 22 no Municipal

As vozes declamando os poemas não serão de Mário de Andrade, Oswald de Andrade e Menotti del Picchia. Em 1922, eles e outros artistas das letras, música e artes plásticas revolucionaram a cultura brasileira ao se reunirem em São Paulo em um manifesto artístico para tentar renovar o ambiente cultural brasileiro. Suas obras e o clima da Semana de Arte Moderna voltarão hoje ao Teatro Municipal em uma homenagem que faz parte das comemorações do centenário da Academia Paulista de Letras (APL). O espetáculo 22, Semana de Arte Moderna é uma criação do ator e diretor teatral Ayrton Salvanini. Em um palco ilustrado com quadros dos pintores modernistas Anita Malfatti, Tarsila do Amaral e Di Cavalcanti, o ator interpreta os principais poemas que marcaram o evento de 1922, acompanhado de um violinista com obras de Heitor Villa-Lobos. Embora em tempos diferentes, o tom de protesto com poemas críticos à sociedade - como Ode ao Burguês, de Mário de Andrade - volta a ser o foco. "Eu insulto o burguês! O burguês-níquel, o burguês-burguês! A digestão bem feita de São Paulo! O homem-curva! o homem-nádegas!...quase nove décadas depois, continua sendo uma paulada no status quo", diz Salvanini, que afirma ter apresentado o espetáculo centenas de vezes, mas nunca no Municipal, o principal palco de 1922. Os organizadores afirmam que não há contradição em a APL realizar um evento em homenagem à Semana de Arte Moderna - um dos principais focos de ataque dos artistas modernistas era justamente a tendência do "academicismo nas artes". "É uma homenagem artística à Semana. Não se trata de uma discussão do mérito, até porque a importância de 1922 já foi reconhecida por todas as academias", diz o produtor Antonio Clementin, um dos organizadores. VILLA-LOBOS Além da interpretação de obras de Mário de Andrade, Oswald de Andrade e Manuel Bandeira, o evento terá apresentações musicais. O número que abre a noite é a interpretação de Bachianas nº 5, de Heitor Villa-Lobos, pela soprano Cláudia Riccitelli e com regência do maestro León Halegua. O evento no Teatro Municipal terá entrada franca e começará às 19h30. Segundo a APL, em seu centenário, a instituição quer promover eventos abertos ao público para marcar um novo momento, com "laços mais fortes com a comunidade".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.