Humberto Pradeira/PSB
Humberto Pradeira/PSB

Espírito Santo anuncia quarentena de 14 dias contra a covid-19

Novas medidas restritivas passam a valer a partir desta quinta em todo o território capixaba

Matheus Brum, especial para o Estadão

16 de março de 2021 | 20h10

VITÓRIA - O governador do Espírito Santo, Renato Casagrande (PSB), anunciou na tarde desta terça-feira, 16, novas medidas restritivas para conter o avanço da covid-19 no estado. A partir desta quinta, 18, todo o território capixaba entra em “risco extremo”, com uma quarentena de 14 dias em um primeiro momento.

 

Neste novo cenário, apenas o comércio considerado essencial poderá manter as portas abertas. Os segmentos são: supermercados, postos de gasolina, farmácias, padarias, lojas de material de construção, oficinas mecânicas, indústrias, agronegócio, construção civil e rede hoteleira (com até 50% da capacidade).

Entretanto, aos finais de semana e feriados, alguns dos serviços essenciais terão de fechar. Serão permitidos, nestes dias, apenas farmácias, postos de combustíveis, serviços de assistência à saúde, funerário e transporte público. Estas medidas foram tomadas depois que o Espírito Santo chegou à taxa de 91% de ocupação dos leitos de UTI exclusivos para a covid-19. Este é o maior número registrado desde o início da pandemia. 

 

Bares e restaurantes ficarão fechados e só poderão funcionar por delivery. O comércio de rua, shoppings, salões de beleza, academias e escolas deverão ficar fechadas. As pessoas não poderão utilizar quadras, praças, parques, campos e quadras poliesportivas. Sobre as praias, Casagrande irá discutir com os prefeitos se fechará ou não o litoral capixaba.

Em relação às igrejas será publicado um decreto com as novas orientações. Na manhã desta terça, o governador se reuniu com líderes religiosos e pediu a suspensão das missas e cultos presenciais. Até agora, 6.783 pessoas no Estado morreram pela covid-19.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.