Espírito Santo decreta estado de emergência por causa das chuvas

Mais duas pessoas morreram, chegando a cinco o número de vítimas; cerca de 20 mil estão desabrigados

Larissa Fafá, Especial para o Estado / Vitória

21 Dezembro 2013 | 12h47

Corrigido às 14h55

O governador do Espírito Santo, Renato Casagrande (PSB), decretou neste sábado situação de emergência em todos os 78 municípios do Estado. Até o estado de calamidade pública pode ser decretado ainda neste sábado. Em coletiva pela manhã, o governador recebeu a informação de mais duas mortes, subindo para cinco o número de vítimas fatais por causa das chuvas que atinge o Espírito Santo desde o início da semana.

Casagrande se reuniu por volta de 9h deste sábado com o ministro da Integração Nacional, Francisco Teixeira, para definir as medidas a serem adotadas e pensar na prioridade de atendimento à população e reconstrução das cidades. Os dois seguem durante a tarde sobrevoando os locais mais atingidos pela chuvas, como a região Serrana e Noroeste do Estado.

De acordo com a Defesa Civil do Espírito Santo, chega a 20.902 o número de pessoas que deixaram suas casas por causa da forte chuva que atinge o Estado desde o início da semana. Ao todo são 3.535 pessoas desabrigadas, 17.367 desalojadas.

As duas novas mortes foram provocadas por deslizamento de terras em Itaguaçu e Domingos Martins, na região Serrana. Os outras três pessoas morreram em Colatina, em Nova Venécia e em Baixo Guandu. No último boletim do Departamento de Estradas e Rodagem (DER - ES), pelo menos 20 rodovias sofrem com pontos de alagamento, queda de barreiras ou erosão de pistas.

O caso mais grave é o da Rodovia ES 010, que liga Jacaraípe a Nova Almeida, no município da Serra. Parte da estrada cedeu devido a força das chuvas e do mar, causando grande congestionamento e obrigando os motoristas a passar pela BR 101 como alternativa. Em Pancas, na região noroeste do Estado, a rodovia ES 341 encontra-se completamente rompida pela força das águas.

Segundo a diretora geral do DER Teresa Casotti, são cerca de 500 pessoas trabalhando em plantão permanente para atender todo o Espírito Santo, mas a chuva que continua a cair dificulta o trabalho. "O mau tempo provocou grandes estragos, mas ainda não conseguimos executar serviços de melhoria. O que podemos é sinalizar e orientar os motoristas", diz.

Mais chuva. O mau tempo não tem previsão de trégua. O Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper) emitiu alerta de chuva forte para todo o Estado, com exceção dos municípios que fazem divisa com o Rio de Janeiro, onde nas próximas 72h o volume de água deve ser maior do que o esperado.

O diretor-presidente do Instituto Evair Vieira de Melo explica que as fortes chuvas são decorrentes da Zona de Convergência do Atlântico Sul, fenômeno comum, mas que está acontecendo com grande intensidade neste fim de ano.

Em parceria com o satélite TRMM da Agência Espacial Americana (NASA), o Incaper registrou que a maior chuva do planeta nos últimos três dias foi no litoral do Estado com mais de 400mm. "Maior parte desta água caiu no mar, mas essa ‘bolha’ está se deslocando para o continente nos próximos dias e não sabemos com qual velocidade", diz o presidente.

Ele também alerta para as chuvas no leste de Minas Gerais, que contribuem para a cheia de rios como o Doce e o Cricaré, localizados na região Noroeste, a mais destruída pelas águas.

A Secretaria Nacional de Defesa Civil emitiu alertas de inundação e deslizamento de terra para vários municípios, com o objetivo de prevenir desastres. Além disso, também autorizou o envio de 2 mil cestas básicas, 2 mil kits de higiene pessoal e limpeza, 4 mil colchões e 12 mil litros de água potável engarrafada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.