Espírito Santo deverá ter presídio de segurança máxima

A crise enfrentada pelo governo do Espírito Santo com o crime organizado poderá levar o Ministério da Justiça a dar prioridade total à construção, no Estado, de um presídio federal de segurança máxima com vagas para 200 detentos, no ano que vem. O ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos anunciou a intenção de realizar a licitação para as obras em 2005 e antecipar a construção em Vitória, que, pelos planos iniciais do governo, seria iniciada somente depois de outras penitenciárias em Rondônia e Rio Grande do Norte.A penitenciária federal assegurará o isolamento dos presos de alta periculosidade em celas individuais, submetidos a um regime disciplinar mais rigoroso, impedindo que mantenham contato com integrantes de suas facções fora da cadeia. Desta maneira, o governo estadual poderá enfrentar os grupos do crime organizado no Estado, afastando os líderes e permitindo a desarticulação dos grupos.Sem o presídio de segurança máxima, a única solução é a Secretaria de Segurança Pública capixaba transferir os presos para presídios fora do Espírito Santo, como fez na sexta-feira com Fernando Oliveira, o Fernando Cabeção, além de outros dois, acusados de ordenar de dentro das prisões o ataque aos ônibus no início deste mês.O projeto do ministério prevê a construção de cinco presídios deste tipo. Além do Espírito Santo, Rondônia e Rio Grande do Norte, há previsão de mais dois, em Mato Grosso do Sul e Paraná. Já foi iniciada a obra em Campo Grande (MS) e a de Catanduvas (PR), está em fase de licitação.O valor da obra no Espírito Santo ainda não está definida e depende da escolha do terreno, já oferecido pelo governador Paulo Hartung, segundo informou a assessoria do Ministério da Justiça.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.