Esporte pode pagar por uniforme R$ 20 mi a mais

O Ministério do Esporte aceitou pagar, em análise preliminar, até R$ 20 milhões a mais por bermudas, camisas polos e camisetas destinadas a instrutores e crianças do programa Segundo Tempo. O guarda-roupa também sairá por preços até 97% mais caros do que o registrado na licitação anterior, em 2009.

O Estado de S.Paulo

20 Outubro 2011 | 03h07

A licitação foi encerrada na última sexta-feira e classificou a segunda proposta mais cara entre as apresentadas por 13 concorrentes. Se a compra for confirmada, a pasta vai desembolsar R$ 80,8 milhões pelos produtos da empresa paulista Capricórnio S/A, cerca de R$ 20 milhões a mais do que a proposta mais barata, como revelou ontem o site da revista Época.

Pela proposta da Capricórnio, o ministério pagará R$ 10,87 por cada uma das 120 mil camisas polo para instrutores. Na licitação de 2009, a unidade foi adquirida por R$ 5,79, reajuste de 88%. O preço unitário das 8 milhões de camisetas para as crianças do programa sofreu um reajuste de 49%. A maior variação de preço, no entanto, é na aquisição das 4 milhões de bermudas. Enquanto em 2009 a unidade custou R$ 4,36, o preço apresentado agora é de R$ 8,60 - 97% mais caro.

A assessoria de imprensa do ministério afirmou ao Estado que as decisões tomadas foram técnicas, que os valores foram estimados com base em pesquisas de mercado e que o processo licitatório ainda não foi encerrado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.