Esposa de Beira-Mar quer aguardar julgamento em liberdade

STJ nega liberdade a Jacqueline Alcântara de Moraes; advogado da ré, então, recorre ao Supremo

14 de dezembro de 2007 | 19h48

A defesa da mulher do traficante Fernandinho Beira-Mar ajuizou no Supremo Tribunal Federal (STF) na última terça-feira, 11, um habeas-corpus contra uma decisão liminar do Superior Tribunal de Justiça (STJ). O advogado de Jacqueline Alcântara de Moraes havia pedido no STJ que sua cliente aguardasse em liberdade o julgamento final de uma ação e que sua prisão fosse revogada. Estas solicitações foram negadas, no entanto, e a defesa recorreu, então, ao Supremo. Jacqueline foi presa no dia 22 do mês passado na Operação Fénix, da Polícia Federal (PF), sob acusação de lavagem de dinheiro, tráfico de drogas e formação de quadrilha. Segundo a PF, ela teria assumido as finanças dos negócios de Beira-Mar, após a prisão dele. No habeas-corpus, a defesa de Jacqueline contesta o fato da prisão dela ter sido decretada na fase do inquérito e sem denúncia do Ministério Público. O caso será analisado pelo ministro Ricardo Lewandowski.

Tudo o que sabemos sobre:
STJBeira-Mar

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.