Fabio Motta/AE
Fabio Motta/AE

Esquadrão Antibombas do Rio detona três caixas de madeira suspeitas

Policiais acreditam que peças fazem parte de campanha publicitária que não teve autorização da prefeitura

Bruno Boghossian, de O Estado de S.Paulo, e Priscila Trindade, da Central de Notícias,

24 Novembro 2010 | 11h39

RIO - A polícia do Rio não encontrou explosivos nas três caixas de madeira que foram encontradas em Ipanema e Copacabana, na zona sul da capital, na manhã desta quarta-feira, 24. Duas delas foram parcialmente detonadas e os agentes do Esquadrão Antibombas verificaram que elas estavam vazias.  

 

Veja também:

mais imagens Caixa coloca Esquadrão Antibomba em ação

 

A ameaça de bomba num dos bairros mais nobres do Rio mobilizou dezenas de policiais a partir das 7h. Ruas foram interditadas e moradores ficaram apreensivos. A praça General Osório, onde uma das caixas foi encontrada, foi parcialmente interditada. O Metrô não interrompeu o funcionamento.

 

Segundo o delegado Fernando Veloso, da 14ª Delegacia de Polícia, do Leblon, os objetos pertencem a uma empresa de promoções e eventos. A companhia teria pedido licença à prefeitura para colocar as caixas nos locais, mas a autorização não foi concedida.

 

Veloso afirmou que irá indiciar o responsável pela empresa para responder pelo crime de contravenção, com pena que varia de 15 dias a seis meses de prisão. O delegado pretende também submeter o caso à Procuradoria Geral do Estado (PGE) para a empresa ressarcir aos cofres públicos as despesas decorrentes da movimentação policial.

 

Atualizado às 15h08

Mais conteúdo sobre:
Rio ataques bomba caixa

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.