Esquema evita caos na Ponte Eusébio Matoso

O motorista que passou nesta segunda-feira pela região da Ponte Eusébio Matoso, sobre a Marginal do Pinheiros, na zona oeste, foi surpreendido pela relativa facilidade de trafegar na região. Com a volta parcial às aulas, a expectativa era enfrentar um dia de caos por causa das obras de recuperação do viaduto, onde um caminhão entalou com uma retroescavadeira, na última quinta-feira à tarde, e danificou 5 das 17 vigas.O pico de lentidão registrado nesta segunda-feira pela manhã ficou em 37 quilômetros. Em dias normais, a média é de 80 quilômetros. No fim da tarde, o trânsito ficou lento na ponte e nos dois sentidos da Avenida Juscelino Kubitschek. "Vim preparada para ficar mais de uma hora na ponte, mas levei 20 minutos para atravessá-la", disse a professora Vilma Gomes, que vinha de Osasco, no sentido Pinheiros.Segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), o fluxo se manteve normal por causa do esquema montado para amenizar o trânsito. "Acabamos levando o motorista a utilizar vias alternativas", explica o superintendente de Engenharia de Tráfego da CET, Eduardo Macabelli. Alguns acessos foram bloqueados para que o motorista evite a ponte.As alças de acesso e a Rua Bento Frias ficaram abertas apenas para o trânsito local. Até o fim das obras, que devem durar 180 dias, está proibido o tráfego de caminhões na ponte. Além disso, o trânsito de uma das três faixas da Eusébio Matoso no sentido Butantã foi revertido. Desta forma, a via ganhou duas faixas em direção à Avenida Rebouças e ao centro.Os motoristas que saírem da Rebouças em direção à Avenida Professor Francisco Morato terão uma faixa a menos, no horário de pico da manhã, e duas a menos à tarde. Nesse período, a CET revertia o trânsito da faixa da esquerda do sentido centro. Macabelli prevê, porém, complicações quando todas as escolas voltarem às aulas. "O pico normal de congestionamento é de 80 quilômetros pela manhã e 115 quilômetros à tarde", afirma.A Marginal do Pinheiros não será interditada durante o dia para a colocação das 5 vigas que vão substituir as implodidas no sábado. "A interdição da Marginal traria muito mais complicações", diz o secretário da Secretaria de Infra-estrutura Urbana (Siurb), Roberto Luís Bortolotto. Segundo ele, o lançamento das vigas será feito à noite, das 22 às 4 horas. Elas são pré-moldadas e encaixadas por guindastes.Depois dessa etapa, o tabuleiro, como é chamada a base da ponte, será concretado e pavimentado. Na fase final, a ponte recebe ainda juntas de dilatação entre os vãos. A obra será executada pela Construbase. A Construtora Azevedo e Travassos fica responsável pela retirada de dutos da Comgás que passam sob a ponte. O valor da obra deve ser divulgado nesta semana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.