Estações de trens permanecem fechadas após tiroteio no Rio

Troca de tiros começou às 7 horas e danificou rede aérea; reparos foram interrompidos após mais tiros

Solange Spigliatti, estadao.com.br

06 de março de 2009 | 13h05

Os trens do ramal Santa Cruz, na zona oeste do Rio, circulavam com intervalos normais, da estação Central do Brasil a Bangu, nos dois sentidos, por volta das 12 horas desta sexta-feira, 6. As estações entre Senador Camará e Santa Cruz, no entanto, continuavam fechadas temporariamente, segundo a concessionária SuperVia. A circulação dos trens foi prejudicada no começo da manhã devido a um intenso tiroteio, que começou às 6h50, na região. Por medida de segurança, a SuperVia alterou a circulação dos trens no ramal Santa Cruz.

 

 

De acordo com nota da empresa, alguns atos de vandalismo foram verificados na estação de Santíssimo e, por isso, ela permanecerá inativa temporariamente até que a empresa avalie o prazo de restabelecimento. O transtorno aos usuários começou por volta das 7 horas, quando três composições que estavam próximas ao local pararam devido à falta de energia em decorrência da queda da rede área no trecho, danificada por causa do tiroteio. Com o auxílio dos agentes de controle da SuperVia, os passageiros desses trens foram orientados a desembarcar e seguir em direção à estação de Santíssimo.

 

 

Após o tiroteio, a equipe técnica da SuperVia foi para o local e, às 8h30, constatou as avarias, iniciando os reparos. No entanto, às 8h50 o tiroteio foi reiniciado, interrompendo os trabalhos de manutenção. Às 10h15, os técnicos recomeçaram o serviço.

 

Segundo a SuperVia, serão necessárias seis horas de trabalho para liberar o trecho à circulação dos trens, que ficará com intervalos irregulares até que todos os serviços sejam concluídos. Não há registro de feridos e os demais ramais não foram afetados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.