Valéria Gonçalvez/AE - 28/01/09
Valéria Gonçalvez/AE - 28/01/09

Estado de Fábio Barreto ainda é grave, mas não piorou

Edemas cerebrais não cresceram, o que é incomum nas primeiras 72 horas, segundo neurocirurgião

Fabiana Cimieri,

21 de dezembro de 2009 | 09h49

O neurocirurgião Paulo Niemeyer Filho disse na manhã desta segunda-feira, 21, que o estado de saúde do cineasta Fábio Barreto continua grave, mas que não houve evolução nos edemas cerebrais. Ele sofreu um acidente de carro na noite de sábado e está internado em coma induzido no Hospital Copa D'or, em Copacabana, zona sul do Rio. De acordo com o médico, é natural que os edemas aumentem nas primeiras 72 horas, o que, segundo a tomografia realizada hoje às 5h30, não vem ocorrendo com o cineasta.

 

Barreto sofreu traumatismo craniano ao capotar sua picape Mitsubishi Pajero na Rua Real Grandeza, antes da entrada do Túnel Velho, no sentido Copacabana. "Na tomografia de ontem, o edema havia aumentado. Na de hoje, vimos que ele já cedeu um pouco, tanto que vai ser possível colocar um cateter", disse o neurocirurgião, que agora está realizando este procedimento. De acordo com ele, a colocação do cateter vai melhorar o controle da pressão intracraniana "o que é decisivo na vida dele e que vai diminuir o risco de sequelas".

 

Além disso, a equipe médica do hospital vai realizar uma traqueostomia para melhorar a capacidade respiratória do cineasta. Um boletim médico deve ser divulgado às 18h. Niemeyer Filho definiu o quadro do cineasta como grave "mas bem controlado".

Diretor de Lula, o Filho do Brasil, com estreia marcada para o dia 1º, Barreto foi submetido a uma cirurgia de três horas e meia no Hospital Municipal Miguel Couto, para drenar um hematoma subdural agudo. O neurocirurgião Paulo Niemeyer Filho, que acompanhou a cirurgia, classificou a intervenção de "salva-vidas". Depois ele foi transferido para o Copa D'or.

 

Trânsito perigoso

 

O salva-vidas Wagner Generoso, de 26 anos, testemunhou o acidente com o cineasta da janela do seu apartamento. Uma das primeiras pessoas a chegar ao local da batida para socorrer Barreto, Generoso contou que viu o momento em que um carro, que ele não soube identificar, fechou a picape do cineasta. O carro bateu numa mureta, voou para outra pista, capotou e caiu de lado. "Saía muita fumaça, vazou gasolina, fiquei com medo de que o carro explodisse", disse Generoso.

 

O acidente aconteceu por volta das 22h50. "Achei que ele estava morto, mas depois percebi que respirava com dificuldade. Tentei conversar, disse que Jesus ia ajudar", afirmou. A ambulância do Corpo de Bombeiros, segundo Generoso, chegou em cinco minutos.

Tudo o que sabemos sobre:
Fábio Barreto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.