Estado diz que projeto só sai em esquema de concessão

O secretário estadual dos Transportes, Mauro Arce, afirmou que não se opõe ao projeto de estrada entre Parelheiros e Itanhaém, desde que o Estado não tenha de colocar dinheiro na obra. "Se chegar lá um cara e disser assim: ?quero fazer a concessão?, é difícil, porque não tem o projeto. Mas, se ele chegar com o projeto, a Artesp aprova", disse, ressaltando que os interessados terão de provar a viabilidade da proposta.Segundo o secretário, é preciso um estudo comprovando que o volume diário de veículos justifica a execução da obra. "É o caso da Tamoios. Por que não se faz a duplicação? Porque em 85% do tempo está ociosa." Arce discorda da alegação de que a estrada estimulará o desenvolvimento. "Qual é a vocação da região? O Porto de Peruíbe vai sair? Temos de acompanhar, senão chego com estrada e, de repente, não há projeto."Sobre impedimentos ambientais - o trecho é Área de Proteção Ambiental e corta o Parque Estadual da Serra do Mar -, o diretor de Avaliação de Estruturas de Transportes da Secretaria Estadual do Meio Ambiente, Marcelo Arreghi, disse que o licenciamento é possível. "Sendo de interesse público, a lei prevê exceção. Seria necessário um estudo e um relatório de impacto ambiental (EIA-Rima) e justificativa para investimento."

Rejane Lima, O Estadao de S.Paulo

14 de janeiro de 2008 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.