Estado do Rio tem 82 mil pessoas em áreas de risco de deslizamento

Entre os 92 municípios fluminenses, 91 têm locais com perigo iminente de escorregamento, segundo o Departamento de Recursos Minerais do Rio

Thaise Constancio, O Estado de S. Paulo

02 Dezembro 2013 | 16h19

RIO - Entre os 92 municípios fluminenses, 91 têm áreas com risco iminente de escorregamento, aponta levantamento feito pelo Departamento de Recursos Minerais do Rio (DRM-RJ). Na capital, a avaliação é feita pela Fundação Instituto Geotécnica (GeoRio). O Mapeamento de Risco Iminente mostra que no Estado do Rio existem 2,7 mil locais com risco de escorregamento e 82 mil pessoas vivendo em áreas de risco. A pesquisa faz parte do Plano de Contingência do DRM-RJ, válido de novembro de 2013 a abril de 2014.

A situação do Estado é considerada crítica, principalmente quando se considera "setores nos quais os acidentes, muito provavelmente, serão deflagrados quando do registro de chuvas regulares e normais, caracterizadas pela ação individual, ou combinada, de chuvas horárias e chuvas diárias, ou da combinação destas duas com as chuvas contínuas de quatro dias (115 milímetros) e as chuvas acumuladas em um mês (270 mm)".

Entre setembro de 2013 e março de 2014, dez municípios do Rio serão mapeados para avaliar o risco associado a escorregamentos. Angra dos Reis, Niterói, Petrópolis, Teresópolis e Nova Friburgo - cada um com mais de 200 setores com riscos iminentes - Barra Mansa, Itaperuna, Mangaratiba, São Gonçalo e Três Rios serão avaliados e terão os Planos Diretores Municipais e a ocupação do solo urbano revistos para reduzir as chances de acidentes.

O relatório lembra que "escorregamentos com danos podem ocorrer em setores não apontados na Carta de Risco Iminente do DRM-RJ, porém os setores indicados nestas cartas são aqueles nos quais há mais indícios de que um escorregamento está prestes a se iniciar; maior probabilidade de que percorrerá uma trajetória estimada; e elevadíssima probabilidade de que atingirá as moradias citadas, e, em função da massa mobilizada, provocará danos, aí incluídas mortes e prejuízos diretos às moradias".

Com exceção da Região Serrana, os dados sobre probabilidade e recorrência de chuvas que causam escorregamentos são insuficientes em todas as cidades do Rio. Nos municípios serranos os dados são mais precisos porque há maior disponibilidade de dados pluviométricos e "os registros de escorregamentos desastrosos praticamente anuais" oferecem mais subsídios para compor o Plano de Contingência para Resposta aos Desastres.

Planejamento. Na quinta-feira, 29, foi lançado o Plano Estadual de Proteção e Defesa Civil, formado por órgãos públicos e membros da sociedade civil, para planejar, coordenar e promover ações para reduzir o risco de desastres. O documento define os procedimentos e ações que devem ser seguidos em caso de emergências e também estabelece os recursos humanos, materiais e equipamentos que serão usados para prevenir, controlar e enfrentar acidentes.

Em todo o Estado, 54 comunidades possuem sistema de alerta contra deslizamento de encostas. Até janeiro, 180 comunidades de 12 municípios receberam os equipamentos. Outras 15 cidades serão integradas ao sistema ao longo de 2014.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.