Estado esquece estradas não-concedidas

A Secretaria dos Transportes do Estado de São Paulo não está conseguindo manter em condições de tráfego os 18.500 quilômetros de estradas que ficaram fora do programa de concessões rodoviárias do governo. O programa transferiu 3.500 quilômetros das principais rodovias estaduais para 12 concessionárias. As empresas investem em troca da cobrança de pedágios e pagam cotas ao governo para serem aplicadas nas vias secundárias, mas o dinheiro não garantiu a melhoria da malha sob gestão do Departamento de Estradas de Rodagem (DER).Até janeiro, as concessionárias haviam transferido R$ 546 milhões aos cofres do Estado. Mesmo assim, milhares de quilômetros de vias estão em mau estado, cheios de buracos e quase intransitáveis. Duas estradas têm pontes caídas há mais de um ano. No mapa rodoviário do Estado de São Paulo, editado anualmente pela Secretaria dos Transportes, a SP-141 figura como uma rodovia estadual pavimentada de pista simples. Na realidade, o asfalto sucumbiu à falta de conservação. Leia Mais

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.