Estado planeja ciclovia na Marginal

Obra usaria estrada de serviço da Emae e ficaria pronta em 2010

Renato Machado e Valéria França, O Estadao de S.Paulo

13 Agosto 2009 | 00h00

O governo do Estado de São Paulo pretende construir ciclovias ao longo de toda a Marginal do Pinheiros até o fim de 2010. O próprio governador José Serra anunciou a intenção no microblog Twitter. A Secretaria dos Transportes Metropolitanos iniciou na semana passada os estudos para o primeiro trecho, de aproximadamente 7,5 quilômetros, entre as regiões dos Parques do Povo, no Itaim-Bibi (zona sul), e Villa-Lobos, em Pinheiros (zona oeste). A ciclovia vai funcionar ao longo da via da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). "Em no máximo dois meses estaremos com todos os estudos prontos para já começarmos as obras. E será fácil e necessário pouco investimento para construir essa ciclovia, porque grande parte da estrutura já existe", diz o secretário, José Luiz Portella. Ele se refere à estrutura usada atualmente como estrada de serviço da Empresa Metropolitana de Águas e Energia (Emae). Ao lado de grande parte da extensão da Linha 9- Esmeralda da CPTM há pistas asfaltadas que são utilizadas pela companhia para o transporte de alguns equipamentos. A Emae deve continuar a utilizar uma parte da área, mas as pistas de automóveis e bicicletas serão separadas. Um dos primeiros detalhes abordados pelos técnicos da secretaria é a forma como será feita a ligação da ciclovia com o restante das outras vias, uma vez que a pista dos ciclistas estará no canteiro central da Marginal do Pinheiros. Segundo Portella, devem ser feitas adaptações nas passarelas e outras estruturas existentes atualmente para a travessia de passageiros. "Estamos só discutindo algumas questões operacionais. Por exemplo, como fazer para separar os passageiros dos ciclistas, para que eles tenham um acesso diferente ao chegar à estação e não precisem pagar passagem", diz Portella. O projeto para as ciclovias na Marginal do Pinheiros foi elaborado inicialmente pela Emae, que pretendia construir as pistas nas duas margens do rio. O trajeto seria do Parque Burle Marx até a chamada Usina da Traição - com aproximadamente 6 km. Fontes ouvidas pela reportagem afirmaram que os projetos podem ser unificados, para que consigam ser concluídos até o último trimestre do próximo ano. A CPTM também inaugurou na semana passada o 15º bicicletário nas estações, que agora oferecem um total de 4,2 mil vagas. O último espaço inaugurado está na estação Vila Olímpia, na Linha 9-Esmeralda, e oferece espaço para 94 bicicletas. Outras estações contam com paraciclos - estruturas para acorrentar as bicicletas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.