Estado suspende obra de pedágio perto da Cantareira

Para prefeitura, MPF e ONGs, caminhões podem tentar ''fugir'' pela serra

Diego Zanchetta, O Estadao de S.Paulo

05 de março de 2009 | 00h00

As obras para a construção de uma praça de pedágio no km 66 da Rodovia Fernão Dias, em Mairiporã, foram embargadas pelo Departamento de Uso do Solo Metropolitano (Dusm), órgão ligado ao governo do Estado. O pedágio entraria em funcionamento até junho. Responsáveis por acionarem o Estado contra a obra, a prefeitura de Mairiporã, entidades em defesa do meio ambiente e o Ministério Público Federal (MPF) argumentam que a cobrança na região poderá causar a fuga diária de 3 mil caminhões para estradas vicinais localizadas dentro da Serra da Cantareira, em áreas de preservação permanente. A concessionária espanhola OHL diz ter a licença do Ibama para realizar a intervenção na área da rodovia, que é federal (BR-381).Com a paralisação das obras, toneladas de pedras e estruturas de concreto com até 3 metros de altura estão armazenadas de forma precária ao lado do acostamento da Fernão Dias, quase na entrada principal de Mairiporã. No acampamento onde ficavam cerca de cem trabalhadores não há mais ninguém. Segundo a denúncia da organização não-governamental Acorda Mairipa feita ao governo estadual e ao MPF, o esgoto do acampamento dos trabalhadores era lançado diretamente em um córrego que passa ao lado do acostamento da pista e está previsto para ser canalizado.A área escolhida para abrigar a praça de pedágio fica a 400 metros do canal do Rio Juqueri e é cercada por mata nativa. Entre os cerca de 50 mil veículos que passam por dia pela Fernão Dias na região de Mairiporã, 28 mil são caminhões. "Muitos carregam produtos perigosos. Carretas com produtos químicos circulando ao lado de córregos são um risco ambiental alto na região", afirma Mário Nascimento, da ONG Acorda Mairipa.Concedida à iniciativa privada em 2007, a BR-381 é o principal eixo de ligação entre São Paulo e Belo Horizonte. A rodovia terá seis pedágios ao longo de 1.181 quilômetros. A OHL está realizando melhorias na estrada como condição para a instalação dos pedágios. A tarifa estimada é de R$ 1,10 para carros e de R$ 2,20, para caminhões leves e ônibus.A OHL informou que "agora a concessionária aguarda nova manifestação do Ibama". "Com relação aos questionamentos sobre possíveis desvios da praça de pedágio pela área do Parque Estadual da Cantareira, é importante informar que a licença ambiental foi emitida com a anuência do Parque Estadual da Cantareira. O parecer técnico emitido pelo parque exige, por exemplo, que a concessionária monitore fauna e flora do local", informa a OHL. O consórcio ressalta que vai cumprir todos as exigências burocráticas que forem definidas pelos órgãos competentes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.