Estelionatária de luxo tinha longa ficha criminal em MS

Presa em SP, Kelly Samara sempre quis ter alto padrão de vida, dizem parentes

Felipe Grandin e João Naves, O Estadao de S.Paulo

07 Agosto 2024 | 00h00

A jovem Kelly Samara Carvalho dos Santos, de 19 anos, presa na terça-feira em São Paulo por dar golpes em bairros nobres, furtando dinheiro, cheques e cartões de crédito, tem uma extensa ficha policial em Mato Grosso do Sul - Estado onde nasceu. Lá, Kelly foi detida mais de uma vez pela polícia, teve várias passagens pelo Conselho Tutelar da Criança e do Adolescente e ficou em uma Unidade Educacional de Internação (Unei). Para concretizar golpes aplicados em cidades do extremo sul do Estado, dizia ser veterinária ou dermatologista.A golpista responde a processo na Justiça de Dourados, a 220 quilômetros de Campo Grande. Ela foi presa em 14 de março, depois de furtar jóias avaliadas em R$ 50 mil de um apartamento de classe alta em Ponta Porã, na fronteira com o Paraguai. Segundo o delegado da Polícia Civil em Dourados, Mário Queiroz, parte das jóias foi recuperada, e o restante ainda poderá ser localizado com outros receptadores.Na ocasião, Kelly fez amizade com a filha da dona do apartamento - que preferiu não ter seu nome divulgado. Ela praticou o furto numa noite em que dormiu no apartamento. Em outras ações semelhantes, em municípios como Tacuru, Sete Quedas e Dourados, ela conseguiu furtar talões de cheques, cartões de créditos e jóias.A estelionatária era rebelde desde a infância e sempre desejou ter um estilo de vida que sua família, humilde, não podia bancar. Foi assim que parentes definiram o comportamento da jovem, criada pelos avós maternos em Amambaí (MS).REBELDIAA tia Leodenira Carvalho, irmã de Selira Carvalho, mãe de Kelly, disse que, quando a garota nasceu, Selira não tinha condições de criar a filha sozinha. ''''Nós nunca conseguimos entender o porquê de tanta rebeldia. Nunca lhe faltou nada.''''Um de seus primos, Marcos Carvalho Trindade, de 18 anos, afirmou que ''''ela sempre quis coisas que não podia ter, como roupas de grife e tênis caros''''. Apesar de seus antecedentes, ele disse ter ficado surpreso ao saber de sua prisão. ''''Nunca imaginei que a Kelly estivesse metida num rolo tão grande.''''Os parentes, que reclamam do tratamento que vêm recebendo em Amambaí, contestaram a declaração de Kelly de que não teve atenção da família. ''''Não foi por falta de apoio. A gente fez o que pôde'''', disse Leodenira. Solteira, a mãe dela vive em Pedro Juan Caballero, no Paraguai, e o pai, Sérgio Luiz dos Santos, mora em Nova Xavantina, em Mato Grosso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.