Estilista Ronaldo Esper consegue liberdade e sai do DP

O estilista Ronaldo Esper, 62 anos, deixou nesta tarde a carceragem do 91.º Distrito Policial, Ceasa, na Zona Oeste. Agora ele vai responder em liberdade a acusação de ter furtado dois vasos que decoravam um túmulo do Cemitério do Araçá. O advogado do estilista, Marcelo Furman, entrou com um pedido de liberdade provisória, acatado pelo juiz de plantão. Um oficial de Justiça entregou o alvará de soltura e, às 14h30, Esper saiu da delegacia num carro de vidros escuros.Caso não fosse aceito o pedido de liberdade provisória, Esper seria transferido na próxima segunda para o Centro de Detenção Provisória (CDP) de Osasco, na Grande São Paulo. "O meu cliente está disposto a colaborar com a Justiça e esclarecer o que aconteceu. Mas agora ele quer descansar e cuidar de sua saúde?, disse Furman - que nega que o estilista tenha confessado o crime e não revela o paradeiro de Esper.Mármore de CarraraO estilista foi flagrado na manhã da última sexta-feira por uma equipe da Guarda Civil Metropolitana (GCM), que foi avisada por um jardineiro. O estilista estava saindo do cemitério com uma sacola de feira com dois vasos dentro. Ele seguia em direção a um Fusca 95 prata estacionado dentro do local.Primeiro, ele alegou que os objetos pertenciam ao túmulo de uma tia. Depois, no 23.º DP, Perdizes, confessou o crime. Com a chegada do advogado a história mudou. A versão teve direito a crise de profunda depressão e remédios fortes.O estilista foi autuado em flagrante por furto e transferido para o 91.º DP, onde passou a noite.?Não são dois vasos comuns como se pensava, são vasos de mármore de Carrara esculpido?, disse o superintendente do serviço funerário municipal Celso Jorge Caldeira. As investigações prosseguem para saber a qual família pertence o túmulo. Segundo Caldeira, os vasos não pertencem ao túmulo apontado por Esper, que fica na quadra 91. A decoração dele não segue a linha dos objetos furtados."Estamos investigando para descobrir o verdadeiro túmulo", complementou.Este texto foi ampliado às 21h28

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.