Estilo 'bateu, levou' pode afastar eleitores

Numa disputa que teve mais de 34 milhões de eleitores se abstendo, anulando suas escolhas ou votando em branco no primeiro turno, chega a ser surpreendente que os candidatos à Presidência utilizem o penúltimo debate na televisão para abusar da troca de acusações.

Análise: Marcelo de Moraes, O Estado de S.Paulo

26 Outubro 2010 | 00h00

A menos de uma semana da eleição, a petista Dilma Rousseff e o tucano José Serra optaram por não deixar nenhum ataque sem resposta. Mesmo que, para isso, precisassem abrir mão de aprofundar suas ideias sobre temas centrais, como política cambial, carga tributária, segurança pública. Em compensação, não faltaram acusações mútuas de serem mentirosos e de terem aliados envolvidos com escândalos.

É uma estratégia perigosa e de resultado imprevisível. Críticas são essenciais em debates. O estilo "bateu, levou", consagrado durante o governo de Fernando Collor, não. Pior: nivela por baixo as duas candidaturas.

O calor da disputa pode ter tirado o foco dos candidatos. Pode ter tirado algo mais: votos, que podem migrar para abstenção ou anulação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.