Estourada rede de prostituição infantil

O pânicotomou conta de algumas das 200 menores envolvidas em uma rede de prostituição infantil na cidade de Campina Grande, a cercade 100 quilômetros de João Pessoa, na Paraíba.A descoberta do esquema foi sucedida por uma série de ameaças por parte declientes e agenciadores. Uma adolescente de 16 anos entrou, nesta semana, no Programa Federal de Proteção a Testemunhasdepois de entregar, ao Ministério Público, uma agenda recheada de nomes, endereços e telefones de moradores influentes dacidade.Foi o bastante para sua vida virar um ?caos?.O assunto chegou à Câmara dos Deputados. O deputado Orlando Fantazzini (PT-SP), da Comissão de Direitos Humanos,esteve em Campina Grande para colher depoimentos e ouvir as autoridades que investigam a rede de prostituição infantil.Donosde hotéis, taxistas, policiais e até autoridades judiciais fazem parte do dossiê da menor. Os nomes estão sendo mantidos emsigilo pela Justiça. Em uma gravação que está nas mãos do deputado, a adolescente revela o drama de viver em uma prisãodomiciliar.A menor participou de acareação com seis empresários da cidade. Foi a palavra dela contra a deles. Por enquanto, a Justiça sódecretou prisão preventiva das empresárias Joseilsa de Miranda e Kátia Maria de Araújo, que seriam agenciadoras de programas.Mas as prisões foram revogadas.Dos R$ 70 obtidos em um programa, R$ 50 ficavam com as agenciadoras e R$ 20 com as menores.O curador da Infância e Juventude Herbert Targino afirma que a rede de prostituição infantil de Campina Grande tem conexõescom capitais do Nordeste. ?A localização da cidade favorece o esquema?, diz Targino.Campina Grande está a 170 quilômetros do Recife e a 200 quilômetros de Maceió. ?As agenciadoras são bem relacionadas compessoas ilustres de Campina Grande.?A Comissão de Direitos Humanos da Câmara já enviou ao ministro da Justiça, JoséGregori, pedido de inclusão de mais uma menor no Programa Federal de Proteção a Testemunhas. Grávida, ela tambémdenunciou empresários e agenciadores envolvidos no escândalo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.