Estrangeiras, ''mulas'' e, por fim, presas

Número de mulheres detidas por tráfico internacional aumenta 253,5% em três anos; há 385 só na capital paulista

Adriana Carranca, O Estadao de S.Paulo

13 de setembro de 2009 | 00h00

file://imagem/93/mulas.jpg:1.93.12.2009-09-13.8

Elas estão no fim da linha do narcotráfico internacional. São recrutadas pelos chefões do crime organizado como "mulas" para transportar a cocaína produzida na Colômbia, no Peru e na Bolívia para a Europa e a Ásia - às vezes, no próprio corpo. Ameaçada por um nigeriano em um quarto de hotel no centro de São Paulo, a espanhola Maria, de 30 anos, soube ali que deveria ingerir 130 cápsulas com 10 g de cocaína cada uma. "Eu disse que não queria. Ele me atirou na parede e, segurando meus pulsos com força, me fez engolir a primeira. Fui engolindo uma a uma, encolhida na cama. Tinha de parar para descansar porque sentia ânsia."

Na 61ª cápsula, sua pupila dilatou, os olhos viraram, a boca começou a espumar. O nigeriano saiu. Voltou com laxantes e remédios para induzir o vômito, mas àquela altura a cocaína já havia se infiltrado no sistema sanguíneo. Duas cápsulas, com 20 g da droga pura, se romperam no estômago de Maria - uma dose letal varia de 1 g a 3 g. Nem o corpo robusto de quase 100 quilos foi capaz de suportar a overdose. Maria entrou em paranoia, tentou fugir do homem, acuada feito bicho pelos cantos do pequeno cômodo. Apagou. Lembra-se de alguém tirar sua roupa e colocá-la no chuveiro. Sentia uma pressão forte no peito. Apagou de novo. Foi encontrada nua, suja de vômito e fezes, desacordada no boxe da suíte, sob a ducha desligada. O homem fugira. Antes de sair, lhe disse: "Em poucos dias, você será encontrada morta."

Maria não tinha forças para se mexer. Nem sequer sabia estar sonhando ou acordada. Guarda vaga lembrança de outro homem no quarto, "parecia um bombeiro", e nada mais. Ela só abriu os olhos de novo quatro dias depois, num leito do Hospital Central da Santa Casa, com a médica passando as mãos em seus cabelos ruivos. "Maria?"

Maria está presa desde julho no pavilhão 4 da Penitenciária Feminina da Capital, o que restou do antigo Complexo Carandiru. A cocaína no corpo constitui flagrante. Indícios de que a droga iria para o exterior podem sentenciá-la a cumprir entre 5 anos e 15 anos de prisão por tráfico internacional, com base na Lei 11.343/2006.

Na Penitenciária Feminina, 385 estrangeiras, de 20 nacionalidades, dividem dois pavilhões. O número é 98% maior do que em 2006. Entre os homens estrangeiros detidos na capital, o aumento foi de 33,6% no período. No Brasil, o número de presas estrangeiras saltou 253,5% desde 2006, ante 64,7% entre os homens. Elas eram 17% dos não brasileiros detidos no País; hoje representam 31%. Em São Paulo, já são 40%. O Ministério da Justiça não guarda dados sobre crimes cometidos por elas, especificamente, mas sabe que "mais de 98%", segundo o diretor do departamento Penitenciário Nacional (Depen), Airton Michels, foram detidas por tráfico.

No Rio, a maioria é de Angola - há três voos entre a capital Luanda e o Aeroporto Internacional Antonio Carlos Jobim. Espanholas, sul-africanas e romenas, nessa ordem, são maioria entre as "mulas" flagradas no Aeroporto Internacional de Cumbica, em Guarulhos, o mais movimentado do País. Na cela de Maria, na penitenciária da capital, dormem uma dominicana e uma peruana, mas há presas de Alemanha, Canadá, Holanda, Hungria, Inglaterra, Jamaica, Malásia, Moçambique, Suíça, Rússia, Taiwan.

O caminho de volta é longo e difícil. São raros os casos de extradição. Mesmo em liberdade condicional, a maioria tem de terminar a pena no Brasil, onde não pode trabalhar nem fala o idioma. Acabam em um abrigo para ex-presidiárias. Para elas, é o fim da linha do narcotráfico internacional.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.