Estrangeiros comandaram seqüestro de Olivetto

A quadrilha que seqüestrou o publicitário Washington Olivetto era formada por pelo menos 10 pessoas, na maioria estrangeiros. Segundo a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo, há grande probabilidade de que o grupo seja comandado por chilenos e que sejam criminosos comuns."É um grupo organizado, estrangeiro. Segundo eles mesmos, de atuação política, mas eu não acredito", disse o secretário Saulo de Castro Abreu Filho.O delegado Wagner Giudice, da Delegacia Anti-Seqüestro (Deas), conversou com Olivetto durante a madrugada e colheu mais detalhes a respeito do seqüestro, que durou 53 dias. Segundo o policial, a quadrilha tinha pelo menos uma mulher além das duas que foram detidas em Serra Negra (SP).Ele reafirmou que os criminosos usaram a mesma estratégia dos seqüestradores do empresário Abílio Diniz, mantido em cativeiro em l989. "Eles usaram uma técnica muito parecida com a que foi utilizada no seqüestro de Abílio Diniz e vieram ao Brasil só para realizar o seqüestro", afirmou o delegado.Os bandidos presos em Serra Negra serão apresentados na segunda-feira. Nenhum dado sobre a identidade deles foi revelado.Seqüestradores não pediram advogadoA polícia confirmou que até às 16 horas deste domingo os seis estrangeiros detidos no Departamento de Investigações Criminais (Deic), em São Paulo, não haviam pedido nenhum contato com familiares, amigos ou advogados. E nenhum advogado havia comparecido ao Deic para levantar informações para a defesa dos acusados.A polícia disse também que todas as equipes do Deic, inclusive a de Investigações de Furto de Veículos, estão em operações externas para encontrar outros membros do bando. E a Polícia Federal foi acionada para evitar a saída de qualquer suspeito do País, segundo a Secretaria de Segurança.A polícia trabalha com a possibilidade de que, assim como aconteceu com Olivetto, outros seqüestros que estão em andamento cheguem ao fim com o desbaratamento da quadrilha.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.