Estrangeiros podem tocar Nova Luz

A Prefeitura de São Paulo quer que escritórios internacionais de arquitetura participem da licitação que vai escolher o melhor projeto urbanístico para a revitalização da região da Nova Luz, no centro. O diretor de Desenvolvimento e Intervenção Urbana da Empresa Municipal de Urbanização (Emurb), Rubens Chamas, afirmou ontem ao Estado que se estuda uma concorrência que "valorize profissionais com experiência comprovada na revitalização de áreas degradas em diferentes lugares do mundo". "Temos um bom produto e vamos valorizá-lo. Queremos contratar escritórios que já tenham trabalhado em áreas com essa dimensão. Não importa se o escritório é nacional, internacional ou um consórcio com profissionais do Brasil e de fora."Os projetos de concessão urbanística e da Nova Luz foram aprovados ontem na Câmara. Dessa forma, passa-se agora à fase de definir qual o órgão da Prefeitura vai lançar a licitação do projeto no mercado e quais os critérios que serão usados para a concorrência.A área total da região Nova Luz é de 362 mil metros quadrados. Existem 750 imóveis previstos para serem desapropriados e 3.500 moradores vivendo na região. A previsão da Prefeitura é de que a área receba R$ 2 bilhões em investimentos. Chamas calcula que a contratação do projeto deve ocorrer até o fim do ano.TEATRO DE DANÇAEm 2008, a contratação do escritório internacional Herzog e De Muron pela Secretaria de Estado da Cultura para fazer o projeto do Teatro de Dança de São Paulo, na região da Nova Luz, causou polêmica entre arquitetos brasileiros. Ganhador do prêmio Pritzker em 2001, o principal da arquitetura mundial, o escritório foi contratado por notória especialização.Chamas afirma que a mobilidade da licitação a ser aplicada pela Prefeitura ainda não foi definida. Além de notória especialização, o projeto pode ser contratado por uma concorrência que leve em conta técnica e preço ou por concurso. Com o projeto pronto e definidas as áreas que serão revitalizadas em parceria com a iniciativa privada, uma nova licitação será aberta para contratar as empresas responsáveis pela concessão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.