Estrelas das CPIs têm desempenho fraco nas urnas

As urnas não foram justas com algumas das principais estrelas que brilharam nas CPIs que investigaram a seqüência de escândalos do Congresso e do governo Lula. O presidente da CPI dos Correios, o senador Delcídio Amaral (PT-MS), perdeu a eleição para governador do Mato Grosso do Sul por larga vantagem. Criticado por petistas, que chegaram acusá-lo de servir aos propósitos da oposição pelo empenho que demonstrou nas investigações, Delcídio terminou com apenas 38,04% dos votos válidos.Integrante da tropa de choque da oposição, o deputado Eduardo Paes (PSDB-RJ) só conseguiu a quinta posição na disputa pelo governo do Rio, com 5,33% dos votos válidos. Na apuração do escândalo do mensalão, Paes destacou-se por participar das investigações mais técnicas sobre sigilo bancário que acabaram por produzir os maiores estragos na bancada governista.Relator da CPI dos Sanguessugas, senador Amir Lando (PMDB-RO), ficou em quarto lugar em Rondônia, onde também concorria ao governo estadual, com 6,17% dos votos válidos. Os dois senadores, entretanto, como estão no meio do mandato, continuarão com cargos político até 2010. Delcídio perdeu a eleição em um Estado governador pelo PT, enquanto Lando tentava desbancar o atual governador Ivo Cassol. O tucano Eduardo Paes se despede da Câmara e só poderá buscar um novo mandato na próxima eleição.Apesar dessas derrotas, há alguns parlamentares destacados na CPI dos Correios que obtiveram bons resultados no atual pleito. É o caso da deputada Denise Frossard (PPS-RS), que vai disputar o segundo turno da eleição para o governo do Rio, e do seu colega Gustavo Fruet (PSDB-PR), que se reelegeu no Paraná com a maior votação individual entre todos os parlamentares do Estado. Na Bahia, o deputado ACM Neto (PFL), que coordenou as investigações sobre irregularidades nos fundos de pensão, foi eleito.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.